Bem Vindo

- Com esta série não é pretendido fazer história, mas sim é visado, ao lado das imagens, que poderão ser úteis aos leitores, a sintetizar em seus acontecimentos principais a vida da Cidade de Porto Alegre inserida na História.

Não se despreza documentos oficiais ou fontes fidedignas para garantir a credibilidade; o que hoje é uma verdade amanhã pode ser contestado. A busca por fatos, dados, informações, a pesquisa, reconhecer a qualidade no esforço e trabalho de terceiros, transformam o resultado em um caminho instigante e incansável na busca pela História.

Dividir estas informações e aceitar as críticas é uma dádiva para o pesquisador.

- Este Blog esta sempre em crescimento entre o Jornalismo, Causos e a História.

Haverá provavelmente falhas e omissões, naturais num trabalho tão restrito.

- Qualquer texto, informação, imagem colocada indevidamente (sem o devido crédito), dúvida ou inconsistência na informação, por favor, comunique, e, aproveito para pedir desculpas pela omissão ou inconvenientes.

(Consulte a relação bibliográfica e iconográfica)

- Quer saber mais sobre determinado tema, consulte a lista de assuntos desmembrados, no arquivo do Blog, alguma coisa você vai achar.

A Fala, a Escrita, os Sinais, o Livro, o Blog é uma troca, Contribua com idéias.

- Em História, não podemos gerar Dogmas que gerem Heresias e Blasfêmias e nos façam Intransigentes.

- Acompanhe neste relato, que se diz singelo; a História e as Transformações de Porto Alegre.

Poderá demorar um pouquinho para baixar, mas vale à pena. - Bom Passeio.

Me escreva:

jpmcomenta@gmail.com






sábado, 24 de março de 2012

Porto Alegre - 1925 à 1949 - Parte XIV (Em Montagem)

Cronologia- 1925/1949


Em 1925, na Europa, Alemanha, Adolph Hitler publica o primeiro volume de “Mein Kamph”, a bíblia do Nazismo – Partido do Nacional Socialismo.

De 1925 a 1935, em Porto Alegre, o Centro da cidade assistiu a uma operação de terra arrasada.
Para a abertura da Avenida Júlio de Castilhos, 24 armazéns e várias casas tombaram ante a fúria demolidora de Otávio Rocha.
Só a construção da Avenida Borges de Medeiros provocou a demolição de 81 prédios, quarteirões inteiros foram arrasados.

-Os recursos municipais destinados a serviços como água e esgoto, para toda a população, são menores do que o investido em espaços para usufruto da elite.
A administração preocupa-se com a engenharia urbana, tráfego e saneamento.
O automóvel, síntese da modernidade, começa a remodelar a cidade.
Verbas são rapidamente liberadas para que o asfalto substitua antigos calçamentos de pedras irregulares.
Otávio Rocha tinha ligações com o sistema financeiro e obteve facilidades para empréstimos. O investimento na cidade foi muito grande, mas em contrapartida o endividamento aumentou.

“Toda esta melhoria teve um preço muito alto.”

- Um grande aparato institucional precisou ser formado para dar a Otávio Rocha a base para implantação do Plano Maciel (1914) e a transformação da cidade.
Foram criadas as diretorias (futuras secretarias municipais):
- Obras Públicas e Higiene,
- Assistência Pública,
- Inspetoria de Veículos,
- Fiscalização de Serviços,
- Contadoria Central,
- Escolas Municipais,
- Águas, Esgotos e Eletricidade,
- Subintendências urbanas e rurais.

- Instituíram-se a Superintendência de Serviços Industriais.

- Jamais Porto Alegre tivera tal aparato de funcionários públicos.
Para sustentar esse aparato e financiar as transformações urbanas, uma “reforma fiscal” criou novas taxações.
A arrecadação garantia recursos e empurrava os menos privilegiados para fora do Centro, moradores de cortiços, estalagens e porões, e estimular os negócios dos construtores e especuladores imobiliários.
Foram taxados em 10% os aluguéis da zona urbana, cortiços, prédios antigos de um só andar, e em apenas 5% as demais zonas.
Nos primeiros anos os proprietários transferem esta taxa para os locatários, mas nos anos 1930, as grandes construtoras passam a adquirir essas áreas, dando início a verticalização do Centro.

- Otávio Rocha, para tocar o Plano Maciel endividou a Intendência de modo profundo, abrundo uma nefasta, fase só resolvida com a intervenção do Governo Estadual, que assumiu a dívida.

Em 1925, em Porto Alegre, tem ínicio a construção do Auditório Araújo Viana no local da antiga “Bailanta (Salão de Baile) e da primeira Hydráulica”.
Projeto do engenheiro municipal Henrique José Wiederpahn e Albino Boni
Em 1925, em Porto Alegre, é disputado o I Campeonato de Tênnis de Porto Alegre, se sagrando campeão foi Hugo Petersen.

Em 1925, em Porto Alegre, através da Viação Ferroviária Rio Grande do Sul – VFRGS a cidade e o Rio Grande do Sul se conecta aos outros estados da Federação, com a linha São Paulo/Paraná, iniciando em Ourinhos (SP) e encerrando em Rio Grande (RS).

Em 1925, em Porto Alegre, o intendente Otávio Rocha deu seguimento à obra do aterro da “doca do mercado” (1919), cogitou em construir sobre o aterro um “teatro municipal”, pois a região aspirava elegância.
A idéia não saiu do papel, mas foi construída uma praça com belo ajardinamento, palmeiras, caminhos e pergolados; no centro foi colocado como adorno o “chafariz de ferro” da Praça XV que estava escondido sob a vegetação ao lado do chalé.

- O novo recanto recebeu o nome de Praça Parobé em homenagem ao engenheiro João José Pereira Parobé amigo de Júlio de Castilhos, acumulava o cargo de Secretário de Obras Públicas e de Diretor da Escola.

Em 1925, em Porto Alegre, a Praça XV de Novembro perdeu dois monumentos, o “chafariz de ferro” para a Praça Parobé e a “magnífica gruta e sua ponte de ferro” esculpida pelo italiano Oreste Colliva que foi demolida.

Em 1925, em Porto Alegre, é construído o Templo Positivista no Caminho da Várzea (Avenida João Pessoa), no estilo da doutrina positivista de Augusto Comte, tem gravado em seus 13 degraus do acesso principal os nomes básicos do quadro socialátrico, destinado à “Adoração Universal da Humanidade”.

Em 1925, em Porto Alegre, é construída a Igreja de São José, na Rua São Rafael (Alberto Bins) conhecida como “igreja dos alemães”, possui afrescos adornando as paredes do prédio, lembrando cenas da vida de São José e da Virgem Maria.
Abriga o crucifixo e as imagens da Via Sacra que vieram da Alemanha.

Em 1925, em Porto Alegre, é construída a primeira estrada (atual Estrada Flores da Cunha, antigo trecho da BR 101) da Capital até Conceição do Arroio (atual Osório).
A partir de 1938, passa a ser chamada de RS-030.
Até meados de 1960, a viagem para o litoral norte ainda era um tormento.

Em 1925, em Porto Alegre, a Rua da Independência é calçada com paralelepípedos, trocando o calçamento de pedra irregular, para melhorar a circulação, desta rua de grandes mansões.

Em janeiro de 1925, no Brasil, Rio de Janeiro, o explorador major inglês Percy Fawcett, seu filho Jack e um amigo Raleigh Rimell chegam a Capital.
Em 04 de março, os três chegaram novamente a Cuiabá (Mato Grosso), anteriomente em 1920.
Em 20 de abril, deixaram a capital mato-grossense com dois guias. O projeto era seguir para o Norte até o “Paralelo 12”, depois Leste. Em algum ponto estaria a Cidade Perdida.
Em 15 de maio, o grupo chegou ao Posto Simão Lopes, porta do Xingu, Fawcett despesou os guias e uma semana depois seguiu jornada.
No dia 29, escreveu para a esposa Nina Fawcett, foram às últimas notícias do explorador.

- Fawcett admitia a existência de índios brancos, descendentes dos Atlantes, e os procurava nos Andes e na floresta tropical.
O jornal “The Times” ofereceu um prêmio de 10 mil libras a quem comprovasse o que havia acontecido ao explorador.
Em 1942, no relatório do General Cândido Randon afirmou que Fawcett havia sido morto pelos índios Calapalos.
Nos anos 1950, esses índios admitiram sua responsabilidade ao sertanista Orlando Villas-Boas e mostraram a ele os supostos restos mortais.
Os místicos do Planalto e sua esposa (falecida em 1954) afirmam que Fawcett entrou em outra dimensão.
A Biblioteca Nacional guarda um manuscrito conhecido como “Documento 512”, publicado em 1839, pelo Instituto Geográfico Brasileiro.
- É o relato da descoberta em 1753, de uma grande cidade deserta, “uma Corte no Brasil”.

- Escrita por um bandeirante que se perdeu nos sertões do Nordeste, o documento descreve:
- A entrada da cidade, com um portal mais elevado trazendo inscrições misteriosas. Numa escrita desconhecida, ladeado por dois portais menores. O texto também menciona obeliscos, casas, construções que parecem templos e duas imagens. Uma delas de um jovem de peito nu com uma coroa de louros. A outra é a estátua de um homem com o braço direito extendido.
Fawcett também jamais se separava de uma estatueta de basalto que recebera do escritor H. Rider Haggard, autor do romance “As Minas do Rei Salomão”.
A imagem supostamente vinda do Brasil, continhas inscrições desconhecidas.

- O mistério permanece.

Em 1º de março de 1925, em Porto Alegre, sai o primeiro número do jornal Diário de Notícias fundado por Francisco Leonardo Truda.
No editorial de estréia, o compromisso público:
- “Fugiremos, deliberadamente, ao sensacionalismo com que, mais de uma vez, nestes últimos tempos, se tem confundido a noção de jornalismo moderno.”
O jornalista Leonardo Truda permaneceu na testa do jornal durante 5 anos.

Em 1926, no Brasil, Rio de Janeiro, capital federal, o Governo dissolveu a Companhia Força e Luz de Porto Alegre (1906) e formou companhias separadas para transporte e serviços:
- Assim a nova operadora do serviço de transporte por bondes, empresa de transporte urbano passa a receber o nome definitivo de Companhia Carris Porto-Alegrense- CCPA.

Em 1926, em Porto Alegre, a cidade é uma típica cidade de província, casario modesto com bondes trafegando pela Rua da Praia. Não existia a Avenida Borges de Medeiros. Nem a Avenida 10 de Novembro (atual Salgado Filho). Nem a Avenida 3 de Novembro (atual André da Rocha), antigo e famoso Beco do Oitavo, onde as mulheres de vida fácil carregavam o peso de suas amarguras e onde havia tiros na madrugada. Cine Central na esquina da Praça da Alfândega, derrubado e ocupado por outro prédio, o Guarani na Rua da Praia que resistiu heroicamente (atual Banco Safra, 2011). O Carlos Gomes na Rua do Rosário (atual Vigário José Inácio), o Apolo, na Rua da Independência com sua enorme sala dividida em duas partes:
- Mais próximo a tela 300 réis,
- Afastada 500 réis, o preço do conforto.
Havia ainda o Ipiranga, na Floresta, o Tália no 4º Distrito e o Garibaldi.
As casas alinhavam-se suas modestas estruturas de alvenaria, sem grandes arrojos arquitetônicos e com poucos andares, ao longe intercalados, os primeiros grandes prédios, o La Porta e o Chiaradia.
Lojas tradicionais da Rua da Praia fervilhavam, como:
- Preço Fixo, Esteves Barbosa, Nunes Dias, Esteves Guimarães, Ao Cilindro, Bazar Rosa, Abelheira, Bazar Miscelânea, Eleutério Araújo e muito mais.

Em 1926, em Porto Alegre, circula pelas ruas o primeiro Ônibus, já testados desde 1925, com linhas direcionadas ao subúrbio, onde o sistema de bondes não alcançava.

Em 1926, em Porto Alegre, acontece no século XX uma das maiores reduções territoriais do município, com a perda de toda a orla da margem direita do Rio Guaíba, com a emancipação do “Distrito de Pedras Brancas”, com a criação do Município de Guaíba.

Em 1926, em Porto Alegre, desembarca Pixinguinha, que veio a cidade para uma campanha da Cervejaria Brahma.

- Pixinguinha, durante 20 dias fez shows na Exposição do Menino Deus (futura Expointer).
Em uma noite jantando com os integrantes do Regional Espia Só, aconselhou-os a mudar de nome e repertório. Estava lançada a primeira banda de jazz da cidade.
A Espia Só Jazz fez sucesso nos melhores salões da cidade e abriu caminho para o surgimento de dezenas de outras.

Em 1926, em Porto Alegre, o intendente Otávio Rocha (14.10.1924 a 27.02.1928), em relação à água potável, decidiu que a situação era insuportável, tomou um empréstimo de US$ 4 milhões e contratou a empresa norte-americana Ulen & Cia. Para modernizar a estação de tratamento da Hydráulica dos Moinhos de Vento. O velho sistema alemão de filtros lentos foi substituído pelo americano, mais rápido, que veio acompanhado de laboratório de controle de qualidade da água. A Ulen aproveitou os reservatórios subterrâneos e construiu um novo para 6,5 milhões de litro, além de aumentar a capacidade das turbinas das bombas de recalque.
Na administração de Otávio Rocha, foram criadas as diretorias de águas e esgotos.

Em 1926, em Porto Alegre, cria-se a Inspetoria de Veículos.

Em 1926, em Porto Alegre, após a posse, o presidente da República Washington Luis teve um gesto de boa vontade e veio a Porto Alegre, tornando-se o primeiro presidente em 20 anos a fazer uma visita oficial ao Estado, recebido com toda a pompa no cais pelo presidente do Estado Borges de Medeiros e demais autoridades.

Em 1926, em Porto Alegre, o Intendente Alberto Bins assinou contrato com o grupo norte-americano Eletric, Bond and Share Co. para a concessão dos serviços de eletricidade, produção e distribuição.
Esse grupo adquiriu o controle acionário das companhias locais:
Cia. Fiat Lux,
Cia. Força e Luz Porto-Alegrense, e comprou a
Usina Elétrica Municipal.
Foi criada a subsidiária da multinacional a Companhia de Energia Elétrica Rio-Grandense – CEERG, pertencente ao Grupo Americano American Foreign Power.

Em 1926, em Porto Alegre, pelo contrato a Companhia de Energia Elétrica Rio-Grandense - CEERG deveria manter funcionando as usinas da Cia. Fiat. Lux, Cia. Força e Luz Porto-Alegrense, Usina Municipal e construir uma quarta, as obras iniciaram, para utilizar carvão rio-grandense.

- Da Inglaterra vieram o projeto, as máquinas e os materiais para o prédio de concreto armado, que foi dividido em três casas distintas.

Em 1º de março de 1926, no Brasil, é eleito por aclamação o candidato único a presidência da República Washington Luis Pereira de Sousa, recebeu 98% dos votos, numa das eleições mais calmas da história política brasileira.
Borges de Medeiros que queria se eleger pela quinta vez presidente do Estado aceitou passivamente a fórmula paulista-mineira.
Washington Luis reafirmando a aliança “café-com-leite” montou um ministério de paulistas e mineiros.
Mas para premiar a lealdade do Rio Grande do Sul através do presidente do Estado Borges de Medeiros, que não se opusera a sua candidatura, nomeou o indicado o deputado Getúlio Vargas para Ministro da Fazenda (que não se achava qualificado), para pacificar definitivamente o Rio Grande do Sul.

Em 07 de maio de 1926, em Porto Alegre, é fundada por Rubem Berta, a Viação Aérea Rio-Grandense – Varig, a primeira empresa de transporte aéreo do Brasil e uma das primeiras do mundo.

- Num dos piqueniques com os pilotos do Correio do Sul (vindos da França, que pousava na Fazenda do Major Alberto Bins) nas margens límpidas do Rio Gravataí, na zona norte da cidade Ernst Otto Meyer se entusiasmou de tal forma com a idéia de formar uma companhia de aviação, que conseguiu convencer Alberto Bins a apoiá-lo e fazer com que a alta burguesia da cidade financiasse o empreendimento.
Para os serviços de datilografia, procurou um empregado através de um pequeno anúncio de jornal.
Quem se apresentou e foi selecionado, o jovem Rubem Berta que por mera casualidade era filho do sócio de Alberto Bins.
Outro favorecido pela sorte foi o engenheiro Rudolph Ahrons que estava desempregado depois que faliu devido a um incêndio em sua firma, a Aliança do Sul, e foi escolhido para diretor técnico da nova companhia que foi batizada de VARIG – Viação Aérea Rio-Grandense.

Em 13 de junho de 1926, as 15h00min, em Porto Alegre, a Banda Municipal de Porto Alegre efetuou seu primeiro concerto no Theatro São Pedro, o mais elegante da Capital, no programa constavam composições de Mozart, Mascagni, Boito, Wagner, Schubert, Giordano e Carlos Gomes, garantindo a cidade de Porto Alegre uma banda à altura de seu status e do gosto musical da população.
A fundação da Banda Municipal de Porto Alegre deve-se ao intendente municipal Otávio Francisco da Rocha, e coube a José Corsi a incumbência de organizar a banda idealizada pelo intendente (prefeito).
O regente titular era José Leonardi, trazido da Itália (formado pelo Conservatório de Palermo).
Os componentes da banda prestaram concurso, parte no Brasil e parte em Buenos Aires, sendo que os solistas e a primeiras partes também vieram da Itália.
A banda foi organizada nos moldes das grandes bandas da Europa, especialmente Roma, criada pelo célebre Alexandre Vesella, compunha-se inicialmente por 60 figuras, representando todas as famílias de instrumentos usados nas grandes bandas.

Em 12 de outubro de 1926, em Porto Alegre, em grande festividade é inaugurada o ramal ferroviário da E. F. do Riacho até a Vila Nova d’Itália (atual Vila Nova) com a chegada da primeira composição na Estação da Vila Nova.
Essa estrada de ferro foi extinta em 1932, quando foi incorporada a V.F.RGS por não ser rentável, pela competitividade dos ônibus.

Em 15 de novembro de 1926, no Brasil, Rio de Janeiro, Capital Federal, Washington Luis Pereira de Sousa (15.11.1926-24.10.1930), décimo terceiro presidente da República, Carioca, Partido Republicano Paulista – PRP, vice Melo Viana.   
Foi empreendida obra notável de abertura de estradas de rodagem, projetou a reforma com a finalidade de estabilizar a moeda nacional, e substituir a moeda, o Mil-réis pelo Cruzeiro.

Em 1927, na América do Norte, Estados Unidos, surge o “Cinema Sonoro”, uma revolução na arte cinematográfica com a apresentação do filme “O Cantor de Jazz”.

Em 1927, no Brasil, Estado de São Paulo, é criado o Partido Democrático que lançará Júlio Prestes para candidato a presidência da República.

Em 1927, em Porto Alegre, começa a ser erguido à grande sede do Banco Nacional do Comércio, na Rua Sete de Setembro, em frente à Praça Rio Branco.
Suas paredes externas medem sete centímetros de um embasamento em granito rosa faz o contorno do prédio.
A cerâmica do piso e os vitrais foram importados da França, e o mármore dos rodapés, da Bélgica. O interior, do polonês Stephan Sobczack, tem clarabóias que iluminam sua parte central.
Já foi Banco Sulbrasileiro, Meridional, atualmente pertence ao Santander que transformou em Centro Cultural Santander.

Em 1927, em Porto Alegre, durante a primeira Exposição Rio-Grandense de Automóveis, o Diário de Notícias registra:
“Porto Alegre tem uma frota de 3 mil carros, abaixo apenas de São Paulo capital.”

Em 1927, em Porto Alegre, o presidente do Estado Borges de Medeiros em seu manuscrito ressaltou:
- “O progresso da instrução pública é obra da República consolidada na liberdade de ensino.”

Em 1927, em Porto Alegre, o intendente major Alberto Bins, inaugura um trecho da Avenida Bom Fim (atual Osvaldo Aranha), em modelo de bulevar, com pista de 13 metros de largura e 1.260 metros de comprimento.

Em 03 de fevereiro de 1927, em Porto Alegre, acontece o vôo inaugural da Varig – Viação Aérea Riograndense entre a capital, Porto Alegre a cidade de Rio Grande, feito em hidro-avião.

- Até 1932, são utilizadas as águas do Guaíba junto a Ilha dos Marinheiros, como pista fluvial para manobras de embarque, desembarque e parque de manutenção.

Em 08 de fevereiro de 1927, em Porto Alegre, é fundada a Rádio Sociedade Gaúcha S.A., a segunda estação de rádio da cidade por Carlos Ribeiro de Freitas e sócios.

Em 18 de junho de 1927, em Porto Alegre, pela proposta de Arthur Koepke aos amigos e patrões Felipe Leopoldo Renner e Waldemar Renner (irmãos de A.J. Renner) o desafio de investir em uma pequena manufatura de tintas em pó. Foi investido 30 contos de réis, divididos em quatro quotas iguais, assim nascia a Renner Koepck & Cia.
No terreno da tecelagem Renner no bairro dos Navegantes, começa a fabricar as primeiras tintas com a marca Reko.
Em 1930, sai Waldemar e entra o irmão A.J. Renner, para ajudar a irmã Olga (viúva de Hugo Herrmann), colocou-a como sócia. O filho mais velho de Olga, Ernest Herrmann, de auxiliar a patrão, a nova fábrica além de tintas fabrica latas.
Durante a IIª Guerra, Arthur Koepke se afasta da sociedade (cidadão alemão, poderia significar perda de clientes).
Depois de 1941, a razão social é alterada para Renner Herrmann e Cia. Ltda inicia a fabricação de tintas para couro, 32 tonalidades.
Em 1945, começou a mudança para o terreno de dez hectares na Avenida Assis Brasil, na zona norte, a fábrica foi instalada no triângulo da Assis Brasil.
Ao lado da nova fábrica, no Campo Reki, nasceria o time de futebol que deu origem ao Grêmio Esportivo Renner.
Em 1947, entra o engenheiro-químico Hugo Herrmann Filho e se juntou ao irmão Ernest que morre em 1959.
É desenhado pelo artista plástico Nelson Boeira Faedrich, o símbolo da empresa o “cavalo de crinas esvoaçantes”. – Renner em alemão significa: corredor.
Hugo assume a presidência, em 1968, compra parte das ações da Tintas Louçalin, e a partir daí, partir para compra de várias empresas.
Em 1980, instala o novo parque industrial na cidade de Gravataí.

Arthur Koepke
- Pomerano, ex-marinheiro, veio para o Brasil em 1922, apaixonado por química, e fascinado pelos pigmentos coloridos que brotavam em seu caminho, recolhia terra e minérios nas cercanias de sua casa a beira do Guaíba, na cozinha ele e a mulher, trituravam tudo em um moedor de café, coava em saco de pano e testava, testava exaustivamente. Era decepcionado com a má qualidade das tintas brasileiras. 

Em 29 de agosto de 1927, em Porto Alegre, é inaugurada a herma na Praça Argentina, homenagem dos antigos alunos, a Apolinário Porto Alegre (1844-1904), fundador e diretor da Escola Brasileira.

Em 19 de novembro de 1927, em Porto Alegre, é inaugurado o maravilhoso Auditório Araújo Viana coreto (concha acústica) para a recém criada Banda Municipal de Porto Alegre, sob a batuta do maestro José Leonardi, organizou um programa variado que incluía vários gêneros musicais.

A obra projeto do engenheiro municipal Henrique José Wiederpahn e Albino Boni, a concha acústica foi construída em cimento armado e cobertura em bronze (para a acústica), os bancos em argamassa e o jardim perfeito com seus pergolados e cercas vivas, ao lado da Praça da Matriz (local da atual Assembléia Legislativa).
Sentado nos bancos do auditório era possível visualizar o Rio Guaíba, ou aproveitar o fim de tarde.

Desde sua inauguração, o Auditório levou sempre grande público à Praça da Matriz (Praça Marechal Deodoro) para assistir a famosas “retretas”  que ocorriam nas quartas e domingos.
Nos dias de inverno, os espetáculos se davam no meio da tarde e no verão, ao anoitecer. As apresentações musicais incluíam não só a Banda Municipal mas também, corais, grupos folclóricos e teatrais e de palco para ensaio de óperas que se apresentariam no São Pedro.
Grandes nomes das artes passaram por aquela concha acústica, como a pianista Magdalena Tagliaferro, o famoso regente uruguaio Carlos Estrada, além de famosas cantoras do rádio que eram trazidas pela Rádio Gaúcha e também pela Difusora.
O antigo Auditório, durante seus 33 anos de existência, se constituiu em local de extrema importância para a cidade pois permitia o acesso de todas as classes sociais sem nenhum tipo de cobrança. Nenhum espetáculo nele apresentado teve jamais cobrança de ingresso.
- Para levar a Banda Municipal também aos bairros operários, o engenheiro Henrique José Wiederspahn projetou também um coreto desmontável em madeira.
José de Araújo Viana
- Nascido em 1872, Araújo Viana foi compositor de grande importância para a cidade, tendo participado de momentos decisivos da históra da música erudita, como o Clube Haydn, uma das matrizes da futura Orquestra Sinfônica. Foi autor de uma famosa marcha apresentada na Exposição Estadual de 1901. Falecido em 1916, em Porto Alegre.

Em 1928, na América do Norte, Fleming descobre a Penicilina.

Em 1928, em Porto Alegre, a Praça XV de Novembro, para melhorar o fuxo, perde área substancial para alargamento das vias para a circulação de bondes, ônibus e veículos.

Em 25 de janeiro de 1928, em Porto Alegre, o Dr. Getúlio Dorneles Vargas (mandato: 25.01.1928-09.10.1930) deixa o ministério da Fazenda para tomar posse como presidente do Estado do Rio Grande do Sul, indicado pelo atual presidente do Estado Borges de Medeiros como candidato de consenso.

- Getúlio Vargas empreendeu uma política orientada para o atendimento direto e imediato dos interesses dos produtores estaduais.
Criou o Banco do Estado do Rio Grande do Sul, reduziu tarifas ferroviárias, coibiu o contrabando de charque e reativou a velha idéia de um frigorífico.

- A “União dos rio-grandenses” tornou-se a palavra de ordem, tanto no discurso dos deputados, quanto nas declarações do novo presidente do Estado.

Em 1928, em Porto Alegre, 1.652 metros do Cais do Porto estavam concluídos pelo presidente do Estado Borges de Medeiros, com dez armazéns e 22 guindastes, o sonho de ter uma entrada da cidade digna, está concluída.

A Entrada da Cidade
- Ao descer do navio, o visitante da época ultrapassava o Pórtico do Cais do Porto e caminhava pela Avenida Sepúlveda na direção da Praça Senador Florêncio (Alfândega). Nesse trajeto, podia admirar a beleza dos prédios da Alfândega, Secretaria da Fazenda do RS, na outra quadra a Praça Rio Branco, os prédios da Delegacia Fiscal, Correios, Banco Nacional do Comércio, Edifício Abelheira (Caixa Econômica), os caminhos e seus prédios circundantes e chegava-se na Rua da Praia (Andrdas).

Em 1928, em Porto Alegre, é construído a ala residencial do Palácio Piratini, 7 anos após a inauguração do prédio do governo na capital.

Em 1928, em Porto Alegre, até a construção e inauguração da nova Usina Termelétrica do Gasômetro a situação estava crítica em Porto Alegre, o consumo de energia era de 15 mil kilovates-hora, e a capacidade instalada das três usinas da cidade, de 5 mil kilovates-hora.

Em 1928, em Porto Alegre, a capital recebe a visita do presidente da República Washinton Luis, pela primeira vez na República um presidente visita Porto Alegre, o último mandatário a visitar Porto Alegre, foi o Imperador D. Pedro I, D. Pedro II (duas vezes), e a Princesa Regente Isabel.
A visita é para mostrar apoio e importância do governador Borges de Medeiros e manter a aliança. Washington Luis é recebido com toda a pompa e cerimonial necessários, reuniões, inaugurações e jantares são oferecidos ao mandatário da nação.

Em 1928, em Porto Alegre, foi concluída a obra de abertura da Rua 24 de Maio (atual Otávio Rocha) sobre a Rua Senhor dos Passos, com a demolição do Beco do Rosário.

Em 24 de janeiro de 1928, em Porto Alegre, é inaugurada a Avenida Julio de Castilhos (antiga Rua das Flores), com a presença do presidente do Estado eleito Getúlio Vargas, e o presidente do Estado Borges de Medeiros e o intendente municipal Otávio Rocha.

- A chuva de verão que caia no dia, não impediu que uma multidão assistisse ao primeiro passeio das autoridades – Borges de Medeiros, que deixava o Governo e Getúlio Vargas o eleito – pela nova avenida.
A Avenida Júlio de Castilhos é a primeira construída segundo os conceitos modernos de urbanismo, fora concebida como espetáculo e monumento, com sua largura, sua extensão, o traçado reto, a perfeição do calçamento, o efeito de perspectiva e ainda o sistema de iluminação americana “Nova Lux”.
A avenida fora imaginada para facilitar a ligação do porto coma ferrovia na Rua da Conceição, e aliviar o trânsito da saturada Rua Voluntários da Pátria. Teve o apoio integral dos comerciantes e industriais. Com seus 660 metros de extensão e 30 metros de largura, dos quais nove para passeios havia instalado esgoto e outros serviços correndo em seu subterrâneo, foi à primeira avenida a ter a lógica de planejamento o espaço de 9,20m para permitir na largura um veículo estacionado junto ao passeio, um veículo se deslocando lentamente e outro rapidamente, além do trilho do bonde junto ao canteiro central.

Em 27 de fevereiro de 1928, em Porto Alegre, o major Alberto Bins, que era vice de Otávio Rocha assume a Intendência Municipal em Porto Alegre, pela morte deste por complicações de úlcera gástrica.

Em 19 de abril de 1928, em Porto Alegre, finalmente a Caixa d’Água, como passaria a ser chamada a Hydráulica dos Moinhos de Vento, ganhou inauguração festiva, do intendente Alberto Bins (27.02.1928 a 22.10.1937), já que Otávio Rocha havia falecido, substituindo o sistema lento de filtros alemão pelo modelo americano, a qualidade da água em Porto Alegre supera padrões.
Pela “primeira vez, o porto-alegrense bebe água tratada”.

Em 1928, em Porto Alegre surge o Parque Tenístico (atual Parque Tenístico José Montaury), na Rua 24 de Outubro, Moinhos de Vento, que tem sua origem na Praça Dr. José Montaury construída a partir do ano de 1928.
Registros demonstram que nesta época já se realizava um trabalho de popularização do tênis, onde o mesmo podia ser aprendido e jogado gratuitamente.
O Tenístico também sempre esteve relacionado à Hydráulica Moinhos de Vento, primeira estação de tratamento de água de Porto Alegre (1904).
Recebeu o Status de parque a partir de 1940 quando passou a contar com modernas instalações, construídas sobre o novo e maior reservatório de água da capital.
O tênis foi a modalidade determinada em função da estrutura da obra, por envolver um pequeno número de participantes.

Trata-se de uma área de cerca de 6.800 metros quadrados, ricamente arborizado.
A sua estrutura esportiva constitui-se de três (03) quadras de tênis de saibro e um (01) paredão.
No local encontra-se também a sede do Jardim de Infância Cirandinha que conjuntamente abriga a administração do Parque realizada pela SME.

Em junho de 1928, na segunda quinzena, em Porto Alegre, o famoso pianista Arthur Rubinstein, dá uma série de concertos no Theatro São Pedro.

Em 11 de novembro de 1928, em Porto Alegre, é inaugurada a nova Usina Termelétrica junto a Ponta da Cadeia, subsidiária da Eletric, Bond & Share Co., com sede nos EUA e que geriu a eletricidade e o transporte público por bonde elétrico até 1954.

- O complexo recebeu esse nome de Usina do Gasômetro, devido à proximidade com a antiga usina de Gás de Hidrogênio Carbonado, mas produzia “Energia Termelétrica” com a queima do carvão.
A nova concessionária constrói a termelétrica perto do Rio Guaíba, porque o carvão vinha pelo Rio Jacuí, e, precisava de muita água para refrigerar os condensadores.
A Usina Termelétrica do Gasômetro, sempre rendeu assunto, sobretudo porque deu impulso forte a cidade, desenvolvendo a iluminação pública e desafogando a indústria. Até os bondes puderam ficar maiores e mais rápidos.
A Usina consumia seis vezes mais água do que a cidade inteira, mas em compensação dobrou o fornecimento de energia elétrica.
Junto com a solução de energia, veio o problema, o povo reclamava da sujeira, porque ao operar com duas pequenas chaminés a usina espalhava fuligem por todos os lados.
Em 1937, foi construída a chaminé atual de 117m para amenizar os problemas causados pela fuligem.

Em 13 de novembro de 1928, em Porto Alegre, a CCPA foi adquirida pelo conglomerado americano, Electric Bond & Share, criando a Companhia Carris Porto-Alegrense/ Electric Bond & Share – CCPA/ EBS.

- A empresa prestadora do serviço, a Companhia de Carris Porto Alegrense/ Electric Bond & Share, iniciou um programa de modernização da frota, com a aquisição, a partir de 1928, de veículos (bondes) de diversos fabricantes.

Em 1929, na Europa, Inglaterra, é transmito o “primeiro programa experimental de televisão” pela emissora britânica Daventry. Depois a televisão estreou na Alemanha Nazista, França e Inglaterra.

Em 1929, na Europa, Itália, pelo Tratado de Latrão, assinado pelo ditador Benito Mussolini e por representante do Papa Pio XII, cria a Cidade do Vaticano, um Estado independente, o menor pais do mundo em dimensão territorial, depois de a Igreja já ter dominado quase todos os governos católicos do Mundo e possuir o Sacro Império Romano.

Em 1929, na América do Norte, Estados Unidos, acontece o “crack” da Bolsa de Valores de Nova York, dando início a Grande Depressão, empresas entram em falência no mundo inteiro, os suicídios serão rotina, o desemprego é geral, que ira durar até 1933.

Em 1929, em Porto Alegre, o Chalé da Praça XV tem um novo permissionário, Frederico Heffner, o “Fritz” como era conhecido.

Em 1929, em Porto Alegre, o “mercado profissional da escultura” sofreu um grande retrocesso, com a grande crise econômica mundial que levou a soluções totalitárias, no plano político, e por sua vez propuseram planos audaciosos em realizações arquitetônicas, e redução de custos, inviabilizando a continuidade do requintado acabamento escultório das fachadas das edificações, razão pela qual os escultores tiveram de mudar de profissão.
Na maior parte dos casos, a opção mais viável foi à arquitetura e Fernando Corona encontrou uma posição estável como projetista da firma Azevedo Moura e Gertum, e, mais tarde, como professor de escultura e modelagem do Instituto de Belas Artes.

Em 1929, em Porto Alegre, com o início da crise de combustíveis a Usina do Gasômetro teve que usar exclusivamente o carvão gaúcho das minas de Arroio dos Ratos e Candiota (considerado ruim por seu alto teor de cinzas e baixa qualidade), mas como dizia Getúlio Vargas:
- “Carvão ruim é aquele não existe e que não temos”, principalmente durante a Segunda Guerra Mundial, onde não havia outras opções.
A Usina do Gasômetro até seu fechamento em 1970, seria negócio lucrativo somente para mineradoras como a gigante Copelmi.

Em 1929, em Porto Alegre, a Estrada do Passo d’Areia (antiga Estrada da Aldeia dos Anjos), ganhou trecho de concreto, da Avenida Benjamin Constant até o triângulo (atual triângulo da Assis Brasil), acesso para a Aldeia dos Anjos (Gravataí) e a Estrada do Passo do Feijó (até Alvorada).
Em 1948, a estrada ganhou o nome de Avenida Assis Brasil em homenagem a Joaquim Francisco de Assis Brasil mesmo sendo um desafeto de Borges de Medeiros pela “Revolução Federalista de 1923” (Chimangos e Maragatos), imaginava-se que esta estrada não seria importante por ficar fora do núcleo urbano da cidade, mas a história acabou outra.
Atualmente com 9 km de extensão, expandiu a cidade para a Zona Norte até seus limites de Porto Alegre com Cachoeirinha.

Em 06 de janeiro de 1929, em Porto Alegre, começa a circular nas bancas a Revista do Globo, por sugestão do então presidente do Estado Getúlio Vargas, que era freqüentador assíduo da Livraria do Globo.
O primeiro diretor da revista foi o poeta ensaísta Mansueto Bernardi, italiano de nascimento, sendo sucedido por Érico Veríssimo, também autor de textos, inclusive com pseudônimos.
O magazine era quinzenal, foi um importante veículo de comunicação social em todo o país, retratou em suas páginas os altos e baixos da sociedade e acontecimentos locais, nacionais e mundiais.

Em 20 de março de 1929, em Porto Alegre, é celebrada a última missa no antigo prédio da Igreja Matriz/Catedral Nossa Senhora Madre de Deus, na Praça da Matriz, que será demolido e construído uma nova catedral.

Em 19 de abril de 1929, em Porto Alegre, a organização das associações esportivas possibilitou a criação da Federação Rio-Grandense de Tênnis - FRGT.
As associações fundadoras foram: - Club Excursionista Sportivo, British Club, Club Walhalla, Tênnis Club Ipiranga (ex-Tênnis Club Germânia).

Em 20 de setembro de 1929, em Porto Alegre, o deputado Arnaldo Faria leu na Assembléia o manifesto redigido na convenção da Aliança Liberal, que marcava importantes recuos da ortodoxia republicana no Estado.
Com a formação da Frente Única Gaúcha – FUG, reunindo o PRR e o Partido Libertador (1928). Rearticulada a unidade da oligarquia regional, possibilitou a entrada do Rio Grande do Sul na disputa presidencial do país, integrada a outras oligarquias regionais dissidentes na Aliança Liberal (1929).
A doutrina de inspiração populista, se co-substanciara no Manifesto da Aliança Liberal, redigido por Lindolfo Collor. Ela incorporava as reivindicações salariais, discutia as condições de trabalho e os direitos previdenciários, pregava a “harmonia entre as classes” e o atrelamento dos sindicatos ao Estado, servindo-se do operariado como base eleitoral e política, ao mesmo tempo contra as posições à direita e em oposição aos operários mais radicais.
Articulava assim a mística do “Pai dos Pobres”, que viria a ter notável impacto entre a classe trabalhadora.

Em 07 de outubro de 1929, em Porto Alegre, na Assembléia em moção aprovada por ambos os partidos a candidatura de Getúlio Vargas (presidente) e João Pessoa (vice) na sucessão do presidente da República Washington Luis.

1930
A Revolução
Segunda República (1930-1945)

- Os gaúchos eram os menos dependentes do sistema econômico internacional, portanto, os menos arruinados com a “crack” (quebra) da Bolsa de Valores de Nova York (EUA), em 1929.
Dos seis estados economicamente mais desenvolvidos no Brasil, o Rio Grande do Sul era o único que não dependia fundamentalmente dos mercados internacionais (uma vez que vendia charque e arroz para o mercado brasileiro) e as indústrias instaladas, principalmente em Porto Alegre, abasteciam seu próprio mercado.
Mesmo tardando alguns meses a crise chegou ao Sul, os bancos gaúchos, como no Brasil, começaram a fechar. Em breve as atividades agrícolas e pastoris sentiram o arrocho da liquidação das hipotecas.
As eleições presidenciais estavam marcadas para março de 1930, concorriam o paulista Júlio Prestes de Albuquerque, presidente do Estado de São Paulo (candidato do governo federal Washington Luis, que rompeu o acordo com Minas Gerais) e o gaúcho Getúlio Dorneles Vargas, presidente do Estado do Rio Grande do Sul (candidato de oposição, com o apoio de Antônio Carlos Ribeiro de Andrada (descendente do patriarca da independência José Bonifácio), presidente do Estado de Minas Gerais e João Pessoa, presidente do Estado da Paraíba, que foi vice na chapa).
A depressão fortalece os favoráveis a candidatura de Getúlio Vargas, se fracassasse, seria a revolta armada contra o governo.

Nos anos 1930, em Porto Alegre, os músicos vão preferir as boates e cabarés, onde executam jazz, samba e tango.
Aparecem: - Piratini, Horacina Correa, Caco Velho, Paulo Coelho, Marino, Lupiscínio Rodrigues e Alcides Gonçalves.

Os bares:
- Zitter Franz, alemão cem por cento, que ocupava uma velha casa na subida da Rua da Praia, quase esquina Dr. Flores. Não tinha jeito de bar, pois era mais uma residência familiar, entrava-se pelo comprido corredor e ia encontrando as saletas onde era servida a bebida, o gostoso chopp Continental, a mais cara, e a cerveja Oriente, a mais barata. Mais tarde o Zitter mudou-se para a Rua do Rosário, esquina Rua da Praia, baixos do Edifício Bastian Pinto.

- Chalé da XV, do Fritz, na entrada, logo a direita, num pequeno estrado, a orquestrade apena 3 músicos: - o Heinz Biettenhader, suíço do Cantão alemão, maestro e pianista, o “Petiço”, primeiro e único violinista que a língua do Fritz chamava de “Petizo”, e o “Seu Moreira”, no violoncelo, embora pequena tocava tudo.
Esses lugares com seus ambientes carregados da fumaça dos cigarros e do típico aroma do chopp de barril – o “chopp Goldenklar” da esquecida canção.

- O Antonello, ficava a Rua da Praia quase defronte de outro bar a Casa Salatino, na quadra entre a Rua General Câmara e a Rua Uruguai. Com a demolição do prédio, mudou-se para o edifício do antigo “Petit Cassino” inaugurado pela Companhia de Comédias Cristiano de Souza. Tinha a fachada inteira tomada por figuras em gesso; grifos, cornucópias, gárgulas, e bem ao alto, duas figuras de homem vestidas com trajes da época, inclusive cartola, semi-escondidos pelo oval em que figurava o nome do prédio. Ali também funcionou o Cine Rex da Empresa Darci Bitencourt. Esta nova fase do Antonello durou pouco e fechou o bar definitivamente.

- O Eduardo, outro bar tipicamente alemão, quase à esquina da Rua Voluntários da Pátria, onde havia uns canecões de louça para chopp com capacidade de 1 litro.Também havia o “Zum Franziskaner”, “Breustübel”, e muitos outros.

- Os foxes tocados com etiqueta “Made in USA”. As mocinhas tomavam chá, flertavam com os galãs de casaco apertado na cintura, calças boca-de-sino e, alguns mais corajosos, como Eurico Massot, chapéu-coco. Eram as “melindrosas” e os “almofadinhas” dos desenhos do carioca J. Carlos, repetidas em edição provinciana e cujos nomes se encontava regularmente nas páginas sociais das duas revistas da época, a “Máscara” e “Kodak”.

Nesta década de 1930, em Porto Alegre, a Rua Protásio Alves já tinha alcançado a Rua Carlos Gomes, quando o bairro Petrópolis tomou corpo.

Nas décadas de 1920 e 1930, em Porto Alegre, ali na Rua da Praia (Andradas) dezenas de café, bares, cabarés, várias opções para se atravessar a madrugada, foi o período de apogeu do Centro da cidade.

- Augusto Meyer, poeta, crítico literário, diretor da Biblioteca Pública do Estado (1930-1938), o “Bilu” em seu livro de memórias “No tempo da flor” (1966), lembra um determinado garçon e esta época:
- “Com ele ou sem ele, vinha louro e topetuso o chopp, e ao seu doce amargor cavasa-se uma luz de topázio embaciado. Era um autêntico licor de Gambrinus aquele bálsamo gelado, não como os de agora, mistura de mijoca com ácido salicídrico, capaz de provocar a aziz de Baco. Ali havia lúpulo e cevada, havia engenho e arte. Quem não sentirá os gorgomilos duros e a língua seca de saudade, ao pensar na Idade de Ouro boemia, quando o chopp era chopp? Os bebedouros famosos: - o Chalé da Praça Quinze, o bar do Eduardo, o Zither Franz, o Binter, o bar do Rocco e mais tarde o Antonello amametaram heróicas gerações de chopistas.”

- Na Rua da Praia, esquina General Câmara, erguia-se o prédio do Café Colombo, toda a área térrea, com frente para as duas ruas, era tomada pelo salão de altas paredes, no qual se alinhavam dezenas de mesinhas de mármore e cadeiras de madeira. Bem ao fundo, largo e alteroso balcão, semelhante a uma mesa de conferências de salão nobre, exibia, do lado direito de quem entrava, uma saliência arredondada, muito parecida com um púlpito. Era o lugar onde os proprietários J. Romba e o Schmidt, seu familiar sócio, se revezavam na fiscalização da larga sala e do serviço dos garçons. Os fregueseseram todos de caderno e tão habituais que a maioria deles tinha mesa cativa, e até horário de entrada e saída. Em cima, na galeria que circundava o salão, a famosa galeria do Colombo – a orquesta do Maestro Gnattali, pai do Radamés, praticava valsas, todo o repertório de Strauss. E tangos naturalmente.
Adaptado de Paulo de Gouveia, O Grupo (1976)

- Durante a década de 1930 a maior parte dos arquitetos ativos em Porto Alegre, foram rebaixados à condição de “construtor licenciado”, desprestigiados ou perseguidos. Este estado de coisa levou a que projetos mais importantes passagem a ser desenvolvidos em empresas de engenharia locais por desenhistas de superficial formação técnica e a arquitetura teve tão violento retrocesso.

Em 1930, em Porto Alegre, o Sr. João Sigismundo Baldauf foi procurado em sua farmácia pelo Sr. Comendador Obstätter, um cantor de Câmara alemão, que havia feito um arranjo a quatro vozes do Hino Brasileiro. O Sr. João que já fora cantor sacro na Alemanha e cantado na cidade no “Cäzilienchor” (Coral misto Santa Cecília) da Igreja São José e na Sociedade Eintracht; foi convidado a reunir cantores amigos para estudar sua composição e apresentá-la no Theatro São Pedro. Foram reunidos cantores da Sociedade Eintracht e de diversas outras sociedades de canto de Porto Alegre, o professor Léo Schneider como maestro e assim foi fundado o “Orpheão Riograndense”, a “primeira sociedade de canto em português” no Rio Grande do Sul.

- Em Porto até o ínício da Segunda Guerra havia 7 sociedades de canto alemão.
No Rio Grande do Sul havia também uma Federação de sociedades de canto (Deutscher Sängerbund von Rio Grande do Sul) composta por cerca de 28 sociedades filiadas, presidida pelo Sr. Julio Kunz de Hamburgo Velho.
Em todo o Estado havia mais de 500 sociedades de canto alemão.

- Todas as atividades culturais e sociais das sociedades alemãs foram interrompidas durante e ainda após a Segunda Guerra Mundial.

Em 1930, em Porto Alegre, são fundadas as primeiras Escolas de Dança com Lia Bastian Meyer e Tony Seitz Petzhold, paradigmas das demais.

Em 1930, em Porto Alegre, o intendente major Alberto Bins altera o nome da Praça Martins de Lima (Praça da Harmonia), para Praça Três de Outubro, em homenagem à Revolução de 1930.
Mesmo com a conclusão das obras do porto de Porto Alegre, a área da praça não fora devolvida ao município, encontrando-se ocupada por barracões de repartições militares e do depósito de material pelo DAER - Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem.

Em 1930, em Porto Alegre, o porto-alegrense de descendência germânica Jacob Aloys Gribeler, aos 29 anos, abriu uma pequena oficina para a fabricação de fogareiros e maçaricos a pressão.
Em 1949, fundou a Jackwal, com tempo passou a produzir queimadores, instalações e registros de gás.
Em 1956, com a morte de Jacob, a viúva Ilke Marquardt Griebeler, assumiu a empresa e começou a modernizar a marca. Colocou a Jackwal no mercado nacional e abriu espaço para a filha Renate que junto ao marido deu continuidade a empresa no distrito industrial em Gravataí.

Em 1930, em Porto Alegre, mudou-se para a cidade a Companhia Geral de Indústrias onde estava desde setembro de 1914, fundada por Hugo Gerdau e iniciou a produção de parafusos, porcas, rebites e arruelas, nasceu da fusão de três fábricas gaúchas de fósforos:
- Fábrica Manoel Valente da Costa,
- Fábrica de João Aydos e Cia., a maior delas,
- Fábrica Jung Secco e Cia.
Além de fósforos seriam produzidos pregos tipo “Ponta de Paris”.
A fábrica ocupava dois amplos edifícios na Avenida Bento Gonçalves, bairro Parthenon, zona leste, com seu grande portão e uma torre quadrada e um relógio.
Foi introduzida a seção de dobradiças e em seguida de fogões industriais.
Com linhas elegantes e um acabamento primoroso, os Fogões Gerais, preto, esmaltados, granitados, esmaltados decorados, com pés niquelados e prateados de luxo, com a promessa de “Vida Longa”.
Em 1934, Waldomiro Schapke e Roberto Nickhorn (que já dirigiam a Gerdau) assumem a direção da Geral ao lado de Armando de Brito, foi introduzida a sessão de dobradiças e em seguida de fogões industriais.
Com suas linhas elegantes e um acabamento primoroso, os Fogões Geral:
- Preto, esmaltado, granitado, esmaltado decorado, com pés niquelados e prateados de luxo – nasciam com a promessa de “Vida Longa”.
Em 1939, morre Hugo Gerdau, depois da IIª Guerra Mundial, a Gerdau se desvinculou e Waldomiro Schapke assumiu o controle.
Seu produto:
- O Fogão GeralCapitan - e muitos outros modelos.
“Uma cor para cada gosto
Um modelo para cada preferência”
Em 1966, a fábrica mudou-se para a cidade de Guaíba em amplo parque fabril, permanecendo alguns processos nos pavilhões de Porto Alegre.
No final de 1990, é decretada a primeira falência.
Em 16 de outubro de 2001, a segunda.
A Geralcoop, cooperativa de funcionários assume e mantém.

Em 1º de março de 1930, no Brasil, a eleição a presidência da República se deu entre a candidatura de Getúlio Vargas (Presidente do Estado do Rio Grande do Sul), João Pessoa (Presidente do Estado da Paraíba) para vice e sua “reformas de base” e o legalista Júlio Prestes (Presidente do Estado de São Paulo) apoiado por Washington Luis, atual presidente da República.
O resultado era tão evidente e manipulado, que o povo nem aguardou os números oficiais (1 milhão para Julio Prestes e 700 mil para Getúlio Vargas),  Getúlio Vargas só venceu nos estados que o apoiavam.
Vargas estava disposto a aceitar a situação, mas o assassinato do vice João Pessoa em Recife (PE) o faria mudar de idéia e conspirar em Porto Alegre a “Revolução”.

- O não reconhecimento da derrota nas urnas levaria os parlamentares gaúchos a se solidarizarem com o movimento revolucionário.
Na Assembléia, os deputados João Carlos Machado e Minuano de Moura lideraram uma moção de apoio a Getulio Vargas.

Em 19 de abril de 1930, em Porto Alegre, é inaugurada a Galeria Pedro Chaves Barcelos ou “Galeria Chaves” com seu piso de placas de vidro no térreo e um grande vitraux no centro do teto, “foi à primeira galeria inaugurada na cidade”, com sua elegante escadaria que ligava a Rua da Praia com a Rua José Montaury, conciliou o passeio a compra.

- Tornou-se ponto de encontro de figuras históricas, como o ex-presidente João Goulart, o ex-prefeito Loureiro da Silva e o escritor Érico Veríssimo, que lá freqüentavam a Confeitaria Carola e o Salão Londres.
Mandado construir pela Família Chaves Barcelos, a galeria de oito pisos tinha apartamentos residenciais nos andares superiores.

Em 26 de julho de 1930, no Brasil, em Recife (PE), o presidente do Estado da Paraíba, João Pessoa (que foi candidato a vice com Getúlio Vargas na chapa derrotada para Presidência da República) é morto por um membro da Família Dantas, rival político, foi uma comoção nacional, dizia-se:
“O Cadáver da Nação”

- Este foi o estopim para a Revolução de 1930.
De Porto Alegre o Rio Grande do Sul estava maduro para exportar para o resto do país seu modelo político baseado no “caudilhismo” de influência “artiguista e positivista”, a fórmula duraria por 25 anos.
Os gaúchos eram os menos dependentes do sistema econômico internacional, portanto, os menos arruinados com a “crack” (quebra) da Bolsa de Nova York (EUA), em 1929.
Dos seis estados economicamente mais desenvolvidos no Brasil, o Rio Grande do Sul era o único que não dependia fundamentalmente dos mercados internacionais (uma vez que vendia charque e arroz para o mercado brasileiro) e as indústrias instaladas, principalmente em Porto Alegre, abasteciam seu próprio mercado.
Mesmo tardando alguns meses a crise chegou ao Sul, os bancos gaúchos, como no Brasil, começaram a fechar. Em breve as atividades agrícolas e pastoris sentiram o arrocho da liquidação das hipotecas.
A depressão fortalece os favoráveis a candidatura de Getúlio Vargas, se fracassasse, seria a revolta armada contra o governo.

A Revolução de 30 começou em Porto Alegre.
Como retaguarda da República “de pé, pelo Brasil”, não podia falhar seu “destino heróico”.

Em 03 de outubro de 1930, na manhã, em Porto Alegre, uma frase cifrada era ouvida nos telefones, proferida por voz feminina para não atrair desconfiança:
“O doente piorou e vai ser operado hoje”.

Os colégios mandaram as crianças mais cedo para casa.

Estoura às 17h30min, o esperado movimento revolucionário, com a tomada do QG do Exército, na Rua da Praia.
Tem início a Revolução de 30.
Os tiroteios puseram as ruas de Porto Alegre, principalmente do Centro em pânico.
O movimento era esperado, e seu estouro surpreendeu apenas os quartéis, desprovidos de serviços de inteligência dignos do nome.
Era necessário fazer a revolução antes da posse do presidente eleito Julio Prestes em 15 de novembro, apoiado pelo presidente da República Washington Luis.

Era o plano de Osvaldo Aranha e Flores da Cunha sendo posto em execução:
- A Guarda Civil, fingindo uma manobra pelas ruas, atacou o QG e, depois, o Arsenal de Guerra, logo adiante.

Segundo a Revista do Globo, os próprios Osvaldo Aranha e Flores da Cunha comandaram o ataque, e pessoas do povo, ensandecidas, com seus revolveres em punho, engrossavam o pelotão de guardas civis.

A luta se estendeu a vários pontos de Porto Alegre:
- Ao quartel do 7º BC – Batalhão de Caçadores, que ficava na atual João Pessoa com Rua Annes Dias,
- Ao quartel do Morro Santa Tereza,
- Ao quartel da Rua Vieira da Castro (atual 1ª Cia. de Guarda) e outro Quartel na João Pessoa.

No QG, na Rua da Praia, o comandante da Região Sul, general Gil de Almeida, só se rendeu depois que trouxeram uma carta assinada por Getúlio Vargas, dando-lhe garantias.

Mas nos outros quartéis a luta se prolongou.
A mais acirrada foi a do quartel do Exército da Rua Vieira de Castro.
À noitinha, quando a chuva começava a cair, e no momento em que as balas voavam para todos os lados, um bonde lotado passou pela esquina da Rua Venâncio Aires, obrigando os passageiros a se atirarem no assoalho.
Ali, a rendição só aconteceu às 10h da noite.
O 7º BC foi o último a entregar as armas, na madrugada de 04 de outubro de 1930.
Dizem que do ataque ao quartel na Praça do Portão, sobraram uns tirinhos para a estátua do Conde de Porto Alegre, que fica em frente ao prédio.

“O povo em massa foi às ruas comemorar a Vitória dos revoltosos gaúchos e de
Getúlio Vargas”.

- A cidade conta os mortos (foram 19) e feridos (entre 90 e 100).

Em 11 de outubro de 1930, em Porto Alegre, Getúlio Vargas embarca na Estação Ferroviária Central de Porto Alegre em trem expresso da VFRGS, sob festa da população com destino ao Estado do Paraná a fim de assumir o comando das forças revolucionárias em marcha para a capital da República no Rio de Janeiro.

Em 24 de outubro de 1930, no Brasil, os revolucionários do Sul e do Norte ocuparam vários Estados, quando os revoltosos do Sul se preparavam para invadir São Paulo, a fim de alcançar o Rio de Janeiro, um grupo de militares, para evitar maiores conflitos, resolveu depor o presidente da República Washington Luis (três semanas antes do término de seu mandato), o presidente não queria renunciar, preferia a morte, mas o arcebispo do Rio de Janeiro Dom Leme, o convence.
A idéia dos revoltosos era não deixar Júlio Prestes, candidato vitorioso nas eleições, assumir a presidência.

- Foi tudo muito rápido. - Vinte dias depois do início da Revolução, os Gaúchos festejam a vitória da Aliança Liberal, no Rio de Janeiro, Capital Federal.

Em 30 de outubro de 1930, no Brasil, Rio de Janeiro, chega à capital federal Getúlio Vargas em sua entrada triunfal, vestia uniforme militar, lenço vermelho no pescoço e um chapéu de gaúcho de aba larga, não escondia a tradição como fazia questão de honrar.

Em 31 de outubro de 1930, Brasil, Rio de Janeiro, a população saiu às ruas da cidade para saudar o vencedor Getúlio Dorneles Vargas, os gaúchos eram vistos com desconfiança.
Mesmo vindo de trem desde Porto Alegre, Getúlio Vargas entra na cidade do Rio de Janeiro a cavalo, sendo recebido pela população.
Muitos dos aliados milicianos chamados “corpos provisórios” seguiram do Sul a cavalo num percurso de mais de 1.500 quilômetros e também entraram no Rio de Janeiro, cavalgaram pelas ruas da capital federal com um misto de desprezo e admiração pelo esplendor urbano.

- Os cavaleiros vitoriosos ao atingirem o Centro do Rio de Janeiro, amarraram suas montarias, ao pé do obelisco da Avenida Rio Branco (dito e feito).
“Deixando claro que uma nova visão de mundo estava chegando ao poder.”

Lavamos a Alma

- Para inúmeros moradores da capital nacional, era uma “vergonhosa profanação” de um símbolo da cidade.

Em 03 de novembro de 1930, no Rio de Janeiro, é nomeado como “Chefe do Governo Provisório” o comandante vitorioso Getúlio Dorneles Vargas, (03.11.1930-15.07.1934), décimo quarto presidente da República, Gaúcho, Aliança Liberal – AL, sem Vice.
Em seu primeiro governo, foram enfrentadas sérias dificuldades econômicas, a crise de desemprego, a crise do café. Foram feitas reforma no ensino, imposta novas leis de trabalho, como:
Regulamentação do horário de trabalho dos trabalhadores,
Instituição de férias anuais,
Assistência médica e hospitalar,
Criação de novo Institutos de Aposentadoria e de auxilio financeiro para a casa própria.

“Os Gaúchos, depois de se dividirem na Guerra dos Farrapos -1835, de se degolarem na Revolução Federalista de 1893 e de se digladiarem na Revolução de 1923, finalmente se uniram e avançaram sobre o resto do país em 1930.”

- Sendo um dos estados participantes da Revolução de 1930, o Rio Grande do Sul isolou-se do resto do país, fato que perturbou o funcionamento das indústrias, ficando algumas ameaçadas de paralisação de suas atividades. Os meios de transporte foram requisitados para as operações militares, ficando interrompida a entrada de matéria-prima para a indústria gaúcha, bem como a remessa da produção local para os mercados do centro do país.
A situação de emergência implicou um entendimento e ação conjunta entre o poder público e os empresários. Foi formado, sob a liderança do Major Alberto Bins, intendente de Porto Alegre e empresário, um Comitê Industrial para proteger o trabalho e organizar e defender os interesses dos empresários.
Ao término da Revolução, este Comitê Industrial em Porto Alegre foi levado adiante por A.J. Renner que concretizou a fundação do Centro da Indústria Fabril do Rio Grande do Sul.

Em 07 de novembro de 1930, em Porto Alegre, em reunião realizada nos escritórios da Livraria e Editora Globo, na Rua dos Andradas, 1416, Centro, quatro dias após a posse de Getúlio Vargas no “governo provisório” no Rio de Janeiro, deu origem ao Centro da Indústria Fabril do Rio Grande do Sul o CINFA, origem da FIERGS e CIERGS.
Vinte e seis empresários de vários ramos da indústria fabril da capital e do interior atenderam ao chamado do major Alberto Bins e de A. J. Renner.
Estavam presentes na reunião histórica:
A.J. Renner & Cia.
Fábrica Berta,
Wallig & Cia.
Oscar Compani & Cia.
Kessler Vasconcellos & Cia.
Ernesto Neugebauer & Cia.
Nedel, Jung, Hermann & Cia.
Frederico Casper & Cia.
Sociedade da Banha Sul Rio-Grandense & Cia.
Walter Gerdau,
Fábrica Rio Guayba,
Bopp, Sassen e Ritter & Cia.
Kluwe, Müller & Cia.
Oscar Teichmann & Cia.
Sociedade Indústria e Comércio Ltda,
Otto Brutschcke,
Cia. Fiação e Tecidos Porto Alegrenses,
Hugo Gerdau,
Cia. Geral de Indústrias,
Barcelos, Bertaso & Cia.
F. C. Kessler & Cia.
J. R. Fonseca & Cia.
Cia. de Vidros Sul-Brasileira,
Tannhauser & Cia.
Cia. Souza Cruz.

Em 11 de novembro de 1930, no Brasil, Rio de Janeiro, após o término da Revolução de 1930, o Decreto nº 19.398 instituiu o Governo Provisório do Brasil exercido por Getúlio Vargas, foram dissolvidos todos os órgãos legislativos ao nível “federal, estadual, municipal, do Distrito Federal e do Território do Acre”.
O líder do movimento nacional que pusera fim a República Velha, no governo provisório foram imediatamente dissolvidos, o Senado, a Câmara Federal e as Câmaras Estaduais.
Os presidentes dos Estados foram substituídos na sua maioria por homens de confiança de Vargas, os chamados Interventores.

Em 17 de novembro de 1930, em Porto Alegre, em reunião almoço no Clube do Comércio A. J. Renner foi eleito primeiro presidente do Centro da Indústria Fabril do Rio Grande do Sul - CINFA, o major Alberto Bins foi eleito “presidente honorário”, em reconhecimento aos esforços pioneiros.
A primeira sede da CIERGS foi instalada em dois conjuntos alugados na Rua Dr. Flores.
No final do ano já eram 63 indústrias associadas, que empregavam 10 mil operários.

Em 26 de novembro de 1930, no Brasil, Rio de Janeiro, capital federal, menos de um mês após a posse de Getulio Vargas, conforme formulado por Lindolfo Collor em campanha anterior era criado o Ministério do Trabalho (o maior legado de ambos).
 A nova pasta foi entregue a Lindolfo Collor, deputado e “tenente civil”, que formou a Comissão Collor, com intelectuais, políticos e advogados, alguns advindo das lutas sindicais, e da qual faziam parte A.J. Renner e Jorge Street.
Ao assinar o decreto de criação do ministério. Consta que Getúlio Vargas teria dito:
- “Está ai, vocês queriam. Está criado o Ministério do Trabalho. Deus queira que esse alemãozinho não nos vá incomodar muito.”
O “alemãozinho” era Lindolfo Collor (1890-1942), filho de imigrantes, nascido em São Leopoldo e de ética ferrenhamente Protestante, era também jornalista e dirigiu o jornal do Partido - PRR “A Federação”.
Em março de 1931, assinado o Decreto nº 19.770, que segundo Lindolfo Collor, incorporou o sindicalismo “ao Estado e as leis”.
Em março de 1931, surgiria a Carteira Profissional, visando garantir os direitos dos trabalhadores, mas que era também um instrumento de controle.
Em 1932, Lindolfo Collor em apóio a Revolução a “guerra paulista” contra Vargas, se demitiria do cargo e junto com outros aliados partiria para o exílio. Mas ai já estava em pé à estrutura corporativa que ainda hoje delimita o sindicalismo brasileiro.
O Ministério do Trabalho criou um sistema de controle:
- Inspetorias Regionais em todos os estados,
Em 1932 surgiria o Conselho Nacional do Trabalho.
Era nítida a influência da “Carta del Lavoro”, promulgada pela Itália fascista de Benito Mussolini em 1927 e que A. J. Renner tanto apreciava.

Em 17 de dezembro de 1930, no Brasil, Rio de Janeiro, capital federal, no governo de Getúlio Vargas foram criados pelo Ministério do Trabalho as Caixas de Aposentadoria e Pensões, depois os Institutos (os IAP’s).

- Nos municípios os Conselhos Municipais (Câmara de Vereadores) foram dissolvidos.

Em 31 de dezembro de 1930, em Porto Alegre, o Chalé da Praça XV foi palco de uma festa de comemoração do Ano Bom (Ano Novo), um grande ano para os gaúchos, conforme as lembranças do jornalista Theodemiro Tostes:
- Última noite do ano. Véspera do Ano Bom como dizia a gente mais velha. A turma resolve esticar a noite no Chalé da Praça XV, na mesa preparada pelo Jacó em um dos recantos do jardim. O bom Fritz (permissionário), como sempre, capricha na ornamentação do Garden-Fest (Festa de Jardim). Com lanternas chinesas penduradas entre as velhas árvores da praça.
Naquele tempo, ainda não se usava a elegante palavra réveillon para dar um ar menos plebe àquelas reuniões de fim de ano. Para nós, corujões da meia-noite, acostumados as vigílias que entravam a madrugada, aquela véspera do Ano Novo era uma noitada igual às outras. A grande invasão de forasteiros não perturbava o nosso sossego nem os temas variados das conversas que as canecas de chopp retemperavam.
... Porque a freguesia é incontável naquela noite de festa, para maior alegria do Fritz, que, entronizado atrás do balcão, dirige a dança dos copos e as mudanças freqüentes dos barris. Mas o Jacó, fiel escanção, nunca deixa a seco a nossa mesa. E, em cada rodada servida, traz uma caneca avulsa que ele esvazia num gole, como parte líquida de sua gorjeta.
Muito antes da meia noite o Chalé está lotado. Desde a parte interna, onde o trio encabeçado pelo Heinz toca o seu repertório de costume, até as mesinhas mais distantes espalhadas pelo jardim. Entre os fregueses de todo o dia, sobram as caras de fim de ano. Naquela mescla teuto-brasileira que é o encanto maior de um Bier Garten.
(...)
E tudo vai à melhor ordem. Até o momento em que um silvo de sirene, acompanhado de foguetório, anuncia a entrada do Ano Novo. O trio do Heinz toca o “Heute gehen...” (...), enquanto os fregueses se levantam para a troca de beijos e abraços. Os “Prosit Neujahr” (Feliz Ano Novo) se misturam com os “Feliz Ano Novo” mais berrados. E ali bem perto, nas docas, os navios e gaiolas trocam apitos.
Suando por dentro e por fora, o bom Fritz percorre o jardim apertando a mãos dos conhecidos. Depois do hino do Chalé e dos chopps reconfortantes, o trio do Heinz executa com a bravura possível a marcha festiva do “Tannhãuser”. O sopro final dos barris se intromete na partitura. E aqui e ali uma voz grave acompanha o coro dos peregrinos.
Passada a lagazarrado do Ano Novo, o jardim volta à calma habitual. Aos poucos, as famílias vão saindo, mas ainda há grupos que continuam a emendar a noite com a madrugada. O Heinz já fechou o piano e os companheiros dão uma folga ao violino e violoncelo. Nisto, um grupo alemão improvisa uma parte musical por conta própria. E o silêncio é quebrado novamente por um coro báquico (bêbado) e jovial:
“Trink, trink, Brüderlei trink
Lassen die Sorgen zu haus...”
(...)
Animados, os graxains se unem aos aplausos da alemoada, mas resolvem também participar do torneio chopístico folclórico. (...)
Adeus, priminha,
Que eu vou me embora,
Não sou daqui,
Sou lá de fora.

Os alemães resolvem bisar o seu gostoso “Trink, trink”. E o compasso da canção é marcado alegremente pelo embalo rítmico das canecas.

Quando a coisa ia esquentar, a intervenção do Fritz, que apesar do cansaço da noitada, sai bufando do seu lugar, dá aos garçons a ordem de revirarem as cadeiras e grita para os últimos bebedores:
- “Bom, senhores. Xá estátarde. Agora vamos fechar. E feliz Ano Novo para todos”.

Em 1931, na Europa, é instalada a Segunda República na Espanha por Franco.

Em 1931, em Porto Alegre, é criado o “Curso Superior de Administração e Finanças” pelo Irmão Afonso e de familiares e alunos do Colégio Marista Rosário que queriam continuar os estudos em nível superior.
Nascia a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS.
Em 1948, veio o reconhecimento como universidade.

Em janeiro de 1931, em Porto Alegre, teve início o “serviço de trens de passageiros” feito em carros de aço, com partidas simultâneas de Porto Alegre e Santa Maria, diariamente, às 21h00min — o terceiro no Brasil e o primeiro na nossa bitola métrica da Viação Férrea do Rio Grande do Sul – VFRGS.

- As locomotivas empregadas para puxar o Farroupilha como foi chamado o “trem noturno” que ligava Porto Alegre a Santa Maria. Foram as recém-adquiridas Garratt n° 901 a 910, fabricadas pela Henschel sob licença da Beyer-Garratt, de rodagem 4-6-2+2-6-4.

Nota:
- As Garratt foram empregadas não só na VFRGS, mas em várias partes do Brasil, devido à grande aderência que possuíam, sem com isso forçar as linhas com excesso de peso localizado (peso por eixo).

Em 15 de março de 1931, em Porto Alegre, é inaugurado o Estádio dos Eucaliptos do Sport Club Internacional, o “Colorado”, com entrada pela Rua Silveiro, no bairro Menino Deus, na zona sul da cidade.
O estádio permanecerá como sede oficial até 1969.
Neste período, o Inter consolidará sua imagem como um dos melhores times de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul.

Em 18 de abril de 1931, em Porto Alegre, é inaugurado o grande Cine-Teatro Imperial, na Rua da Praia, em frente à Praça Senador Florêncio (Alfândega).

Em 17 de agosto de 1931, em Porto Alegre, os irmãos Paul, Fritz e Ernest Zivi, fugindo da Alemanha, com sua experiência em cutelaria, se associam com João Kluwe Jr. e Herbert Mueller, donos de uma oficina de artefatos de ferro, estanho e alumínio, nasce a Zivi, Kluwe, Mueller & Cia.
Em 1935, além de facas e empresa passou a fazer as melhores e mais famosas tesouras do Brasil.
Em 1936, instalam sua fábrica no Passo d’Areia, sob a marca Hércules, a empresa lança os primeiros talheres de aço inoxidável feitos no país.
A Zivi como era conhecida, era muito importante para a zona norte de Porto Alegre, as pessoas estavam acostumadas ao grande fluxo de operários no grande parque industrial.
Com a IIª Guerra, e a matéria prima que vinha da Alemanha suspensa, a empresa passou a fazer motores elétricos.
Em 1940, foram criadas as marcas Mundial e Mundial 4 Ases (especializada em tesouras finas e alicates de manicure).
Em 1942, Mueller e Kliwe (já donos das Forjas Taurus), deixam a sociedade, que se torna Zivi & Cia, neste ano aparecem às facas Mundial.
Em 1976, morre o patriarca Paul Zivi na Suíça, onde morava.
Em 1981, a empresa foi para Gravataí, em 1985 comprou a grande forjaria Eberle de Caxias do Sul, que havia vendido ao grupo paulista Lupo, nascendo o Grupo Zivi-Hércules-Eberle.
Em 1994, com a fusão de todas as marcas, o novo nome saiu do produto que virou razão social à Mundial.

Em 09 de dezembro de 1931, em Porto Alegre, falece o professor Luiz Englert (29.08.1861-09.12.1931), aos 70 anos, tendo legado toda a sua biblioteca bem como todo o material minereológico que colecionou, através de suas pesquisas, à Escola de Engenharia.
Deputado por várias legislaturas, professor univesitário, exerceu várias comissões a que foi nomeado, benemérito de várias instituições e sociedades.
Como professor sempre se destacou pelo amor à investugação científica e grandes pendores para o magistério. O professor Luiz Engler fez parte ativa de diversas sociedades locais como a Germânia, Sociedade Ginástica Turner-Bund, “Blitz”, tendo doado o terreno onde construiu a sua sede o “Ruderverein Germania” atual Guaíba Porto Alegre.

Em 1932, em Porto Alegre, é construída a “ponte de pedra” de acesso a Vila Conceição na zona sul da cidade, projeto do alemão Wilhen Stein, sobre o antigo o fosso construído sobre a rocha para a passagem do trem da linha Riacho / Pedra Redonda.

Em 1932, em Porto Alegre, desembarcam no Cais Central junto ao Guaíba, uma série de artistas populares, como:
- Conjunto “Os Ases do Samba”, formado por Noel Rosa, Francisco Alves, Mário Reis, Pery Cunha e Nono, arrasou no Cine-Teatro Imperial, isto depois de fazer uma apresentação exclusiva para os sócios do Clube Jocotó no Theatro São Pedro.

Nota:
- O Clube Jocotó, com sede na Tristeza, zona sul de Porto Alegre, era um clube muito considerado. Nos carnavais, o Trenzinho Riacho/Tristeza que contornava a enseada da Praia de Belas até a Pedra Redonda e voltava madrugada afora, carregando de ruidosos pierrôs e colombinas.

- Nesta época, pessoas de berço só brincavam o carnaval em clubes. As sociedades tinham deixado o carnaval de rua para o povo, que, aliás, não se fazia de rogado. Quando o “Deus Momo” desembarcava no cais do porto, a folia se espalhava pela cidade da Rua João Alfredo à Avenida Eduardo (Franklin Roosevelt), passando pela Avenida Bom Fim (Osvaldo Aranha) e Benjamim Constant, que tinham carnaval próprio.

- Nos outros 11 meses do ano a diversão da cidade era a chamada “sétima arte” o Cinema.

Em 1932, na Europa, em Portugal, Salazar instaura a ditadura.

Em 1932, em Porto Alegre, é criada por A.J. Renner as Lojas Renner para comercializar produtos de sua fabricação.

Em 1932, em Porto Alegre, a maior festa que a Cidade Baixa já viu foi quando Osuanlele Okizi Erupê, nome na sua língua original, “Príncipe de Ajudá” ou José Joaquim Custódio de Almeida completou cem anos de idade.
Nesse dia muita gente "de bem" foi abraçá-lo em sua casa, e ele, dando demonstração de sua vitalidade exuberante, montou a cavalo sem receber qualquer ajuda. Aliás, isto ele fez até poucos dias antes de sua morte.

Em 1932, em Porto Alegre, a obra do Viaduto da Borges de Medeiros (atual Otávio Rocha) junto a Rua Duque de Caxias sobre a Avenida Borges de Medeiros está concluída, uma obra de formidável impacto no perfil urbano.

Em 1932, em Porto Alegre, a Varig - Viação Aérea Riograndense, se transfere para o Aeródromo São João, campo de pouso da Brigada Militar, agora chamado de Aeroporto de Porto Alegre, nos Campos da Várzea, no bairro São João, onde foi montado os hangares e a Estação de Passageiros.

Em 05 de maio de 1932, no Brasil, Rio de Janeiro (DF), o presidente da República Getúlio Vargas, determinou que o segundo domingo do mês de maio fosse à data oficial da comemoração do Dia das Mães, já comemorado em Porto Alegre desde 1918.

- Quinze anos depois a Igreja Católica incluiu a data no seu calendário oficial.

Em 09 de julho de 1932, no Brasil, São Paulo, contrários aos interventores federais indicados, e a perda de poder da oligarquia paulista, acontece a Revolução Constitucionalista por mais autonomia estadual e fim dos desmandos do governo federal de Getúlio Vargas.
São Paulo imaginava ter o apoio do interventor do Rio Grande do Sul Flores da Cunha e de Borges de Medeiros (que se sentiu alijado do poder) e o general Bertoldo Klinger do Mato Grosso, mas o apoio dos dois primeiros mudou de lado.
São Paulo despertou seu orgulho e foi para a guerra com 8,5 mil soldados revolucionários, contra 18 mil federais. Cercados por tropas do general Góis Monteiro, na eminência da capital ser invadida, renderam-se, e fizeram seus arranjos com o poder central.

- O movimento paulista marcou também a cisão política no Rio Grande do Sul, de um lado a ala solidária a Getúlio Vargas, no plano central, e com o interventor federal Flores da Cunha no plano regional, constitui no fim do ano o Partido Republicano Liberal – PRL, que atrai para seus quadros nomes: - Loureiro da Silva, Moyses Vellinho e J.P. Coelho de Souza.

Em 1933, na Europa, Alemanha, Adolph Hitler chega ao poder pela via eleitoral, democrática, como chanceler (1º Ministro) junto ao presidente da República Hidenburg.

Em 1933, no Brasil, Estado do Rio Grande do Sul, são eleitos os deputados para a Constituinte Federal, no estado a vitória maciça do Partido Republicano Liberal - PRL.

Em 1933, no Brasil, a “indústria de converteu na alternativa viável para o crescimento do país e substituiu a “agricultura” de exportação como o setor dinâmico da economia.

Em 1933, em Porto Alegre, é concluída obra da ala norte do Hotel Magestic, as cúpulas em mirantes circulares são inauguradas, projeto do arquiteto alemão radicado em Porto Alegre Theo Wiederspahn (1878-1952), com entrada pela Travessa Araújo, 187, são 150 quartos amplos, neste hotel se hospedará os presidentes Getúlio Vargas, João Goulart, e muitas outras autoridades e personalidades da época.

Em 06 de agosto de 1933, domingo, em Porto Alegre, mais de 30 mil pessoas se reuniram na Praça Senador Florêncio (Alfândega) para assistir o ato inaugural da estátua eqüestre do General Manoel Luis Osório, Marquês de Erval (27.05.1808 -04.10.1879), Patrono da Arma de Cavalaria do Exército Brasileiro, a praça era tudo da mais alta categoria urbanística e social.
Estavam presentes a cerimônia o Interventor Federal o general José Antonio Flores da Cunha, o Intendente Municipal major Alberto Bins, e a comissão promotora e realizadora do monumento presidida pelo general Cypriano da Costa Ferreira e outros...
A estátua com 8 metros de altura, obra do escultor paulista Hildegardo Leão Veloso, duas grandes frases estão gravadas no granito, colocada uma em cada face lateral:

“Soldados! - É fácil a missão de comandar homens livres, basta mostrar-lhes o caminho do dever.”

“A data mais feliz da minha vida seria aquela em que me dessem a notícia de que os povos civilizados festejavam a sua confraternização, queimando seus arsenais”.
Manoel Luis Osório, herói de Tuiutí na Guerra do Paraguai, foi senador vitalício do Império a partir de 1877 e em 1878 foi designado Ministro da Guerra onde a morte o surpreenderia em outubro de 1879.

Em 1934, na Ásia, China, começa a longa marcha comunista, liderada por Mao Tse- tung.

Em 1934, na Europa, Alemanha, Berlim, com a morte do presidente da República Hindenburg e afastada do cenário a A.S., o Chanceler Adolph Hitler iniciou com aval do Exército e do Partido Nazista, oficialmente o III Reich, de mil anos.
Estava encerrada a “República democrática e burguesa de Weimar” e o “Führer” assumia a liderança absoluta dos destinos do povo alemão sem precisar ferir, pelo menos de forma acentuada, os mecanismos legais e constitucionais, fato que evidencia como a crise econômica tornara vulnerável a estrutura política alemã e mundial. (fato atual nos nossos dias – 2011).

- A bandeira Schwarz-Weiss-Rot, agora era substituída pela Hakenkreuzfahne, pela bandeira da cruz gamada, símbolo do Partido, que o fora buscar na mitologia germânica. Sob Bismarck as orgulhosas cores da velha bandeira foi criado o Reich.
Os novos tempos do nacional-socialismo e a nova bandeira a destronaram.

- A imprensa, a educação e os mínimos detalhes da vida cotidiana foram nazificados, como mostra o excelente documentário de Mijail Fomm, “Facismo sem Máscara”. Paralelamente a nazificação, foi estabelecida a intolerante repressão para com qualquer oposição. A Gestapo (Polícia Secreta do Estado) e os campos de concentração se encarregaram de marxistas, judeus, liberais, artistas, homossexuias, etc...

- O nacionalismo agressivo e insultuoso e o militarismo entraram na ordem do dia.
No plano econômico, o militarismo ativara a indústria bélica e isso favorecia o pleno emprego posto em prática pelo “mago das finanças” de Hitler, o Dr. Hjalmar Schach. O Estado organizou um vasto programa de obras públicas e não hesitou em gastar para assegurar emprego a muita gente. O controle da economia através do câmbio era absoluto.

- A política internacional ocupou uma parte considerável das atenções de Hitler desde que subiu ao poder. E a orientaçãopor ele adotada foi sempre de revisar o Tratado de Versalhes e seus dispositivos, os quais limitavam a expansão alemã.

- Muito antigo na Alemanha, o anti-semitismo foi utilizado como bode espiatóriodos males do povo alemão, males que deviam, em última análise, ao próprio capitalismo (o anti-semitismo era pregado em quase todas as nações do mundo).
A doutrina do “Führer” (líder) pregava que a raça ariana (alemã) se deteriorava no correr dos séculos pela mistura com raças “inferiores”, especialmente os judeus. Tal deteriorização trouxera a decadência cultural e política e devia agora a raça ariana recuperar seu lugar ao sol graças ao “Führer”, que a purificaria e faria de novo respeitada.

- Entre 1935 e 1939, o nazismo teve a chance única de se fortalecer e ampliar fontes de matérias-primas e mão-de-obra ao conquistar, sem guerra e sem ônus algum, diversas regiões e países vizinhos, com a omissão da França e da Inglaterra. Este fortalecimento esplica a resistência dos alemãos na IIª Guerra Mundial, mesmo quando atacados por todos os lados.
Em 1935, é decretado a volta do serviço militar obrigatório.
Em 1936, Hitler pôs tropas germânicas no Vale do Reno (Renânia), a despeito da interdição do Tratado de Versalhes.
De acordo com depoimentos dos próprios generais alemães:
- A Alemanha não teria as menores condições, sob o aspecto militar, de resistir à França e a Inglaterra se elas houvessem reagido naquela ocasião. E Hitler talvez caísse do poder, pois não resistiria à semelhante fracasso de suas bozófias diplomáticas. Como nada aconteceu, Hitler foi ampliando sua esfera de ação.
Ao lado de Mussolini, ditador na Itália, auxiliou Franco a tomar o poder na Espanha, dando-lhe homens e aviões. Este fato aproximou os dois ditadores facistas, propiciando a formação do “Eixo”, e não encontrou maiores resistências por parte dos ingleses e franceses “ou qualquer outra nação do mundo”, o que acentuou a imagem de fraqueza e impotência das democracias liberais do Ocidente, em face da agressividade dos regimes totalitários.

Em 1934, em Porto Alegre, o interventor federal general honorário José Antônio Flores da Cunha (28.11.1930-15.04.1935) assinou no Palácio Piratini o ato de criação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, unindo todas as faculdades formando o campus junto ao Parque Paulo Gama na Cidade Baixa em uma só entidade.

Em abril de 1934, e em junho, em Porto Alegre, o intendente Alberto Bins assumiu o comissariado para a realização da mostra com inauguração prevista para 20 de setembro de 1935 da Exposição Comemorativa do Centenário Farroupilha (1835-1935).
Ao CINFA e a Federação das Associações Rurais, coordenadas por A.J. Renner, Leôncio Lobato, Ernesto Koelbe e Antônio Dias da Costa, coube organizarem um evento que exibisse “uma mostra da capacidade realizadora dos gaúchos” na indústria, na pecuária e na agricultura. Foram mais de 3 mil expositores inscritos e 20 pavilhões construídos.

Entre 29 e 30 de junho de 1934, em Porto Alegre, sobrevoa o “Dirigível” Graf Zeppelin “o orgulho alemão”, inflado com gás hidrogênio, em viagem na sua rota Berlim (Alemanha)/ Rio / Buenos Aires (Argentina), causou furor ao circular pelo Centro da Capital e muitas fotografias foram tiradas.
As pessoas sobem em prédios, correm pelas ruas para a melhor visão do objeto voador.

Em 15 de julho de 1934, no Brasil, Rio de Janeiro, Distrito Federal, os constituintes elegeram Getúlio Dorneles Vargas (15.07.1934-1937), gaúcho, presidente da República eleito pela Assembléia Constituinte.

Em 16 de julho de 1934, no Brasil, Rio de Janeiro, Distrito Federal, no governo de Getúlio Vargas, depois da convocação da constituinte em 1932, foi aprovado à nova Constituição do Brasil, a segunda da República a terceira do Brasil, elaborou-se um “Código Eleitoral”, que regulamentou o voto secreto e estendeu o direito de voto as Mulheres.

Em 20 de outubro de 1934, em Porto Alegre, o famoso escultor Alfred Hubert Adloff, desde 1913 na cidade envia requerimento ao intendente (prefeito) municipal Loureiro da Silva (depois de lembrá-lo de ter sido autor de diversos monumentos e jazigos da Capital e interior), solicitou o parcelamento do seu imposto atrasado queixando-se que para um artista formado na Europa:
“Nada adianta de momento o seu valos e a sua capacidade artística diante dessa formidável crise. Como artista, chego a mendigar serviço e se, por proteção ou favor, recebo alguma obra, tenho que executá-la a troco barato, pois preciso do pouco que ganho para sobreviver.”

Em 1935, no Brasil, Rio Grande do Sul, o governo estadual começou a dar assistência às colônias alemãs no setor de “línguas que começou a ser substituída do alemão para o português”. O alto índice de alfabetização das colônias em muito contribuíram para a invejável posição que o Rio Grande do Sul já há muito ocupa de “Estado mais alfabetizador do Brasil”.
Havia uma escola teuto-brasileira para 540 habitantes e um aluno em cada 12 habitantes. Nas escolas do governo a proporção era uma escola para 1.000 habitantes e 1 aluno para cada 25 habitantes.

Desde 1935, em Porto Alegre, a Intendência Municipal (Prefeitura), organizava grupos de estudo para “formular diretrizes, e disciplinar o crescimento”, inclusive trazendo arquitetos de fora do Estado.
.
Em 1935, em Porto Alegre, o intendente Alberto Bins executa o que Otavio Rocha havia cogitado de colocar os terminais do bonde das linhas Navegantes e São João na Praça Parobé, evitando assim de circularem pela Rua 24 de Maio (Otávio Rocha).
As demais linhas foram colocadas no novo terminal de bondes na Praça XV conhecido como “Abrigo dos Bondes” em forma de “bumerangue” na esquina da Rua José Montaury.

- Após a inauguração do grande terminal, foi cogitado a construção de um “pavilhão de cristal”, que viria a ser a estação central para bondes, moderna e conceituada.

Em 1935, em Porto Alegre, 10% da população cabiam nos cinemas – 26.218 lugares – distribuídos por 22 Salas de Cinema.

- Cada bairro tinha sua sala de cinema, imensa, mas os mais apreciados se concentram na Rua da Praia, iluminada e colorida, “Pequena Broadway”, como era chamada, enchia-se de carros.

Em 1935, em Porto Alegre, houve a mudança de mão de circulação para os Bondes, pois trafegavam na mão esquerda, por conta da influência dos ingleses, que implantaram o serviço de bondes elétricos.

Em 1935, em Porto Alegre, a antiga Rua do Paraíso e de suas moças cantadeiras, atual Rua da Polícia, junto a Praça XV, recebe o nome de “Rua José Montaury” em homenagem ao intendente (prefeito) eterno que governou a cidade por 27 anos.

Em 1935, em Porto Alegre, a nova Avenida Borges de Medeiros chega até a Praça Montevidéu no Paço Municipal (anterior Paço dos Açorianos).

Em 12 de abril de 1935, em Porto Alegre, no prédio da Assembléia dos Representantes se instalou a Assembléia Constituinte estadual, influenciada pelas tendências da época, elegeu indiretamente para governador o então interventor Flores da Cunha.

Em julho de 1935, em Porto Alegre, encerrada a tarefa, é promulgada a Constituição Estadual a segunda do Estado. A Assembléia dos Representantes transformou-se em Assembléia Legislativa, período de estabilidade até o golpe de 1937.

- Pela Cosntituição Federal e Estadual foram reestabelecidas as Câmaras Municipais com o sistema de representação proporcional.

A Câmara
- Na época a Câmara se reunia durante dois meses por ano, podendo prorrogar o período por mais 15 dias.

- O clima geral quanto às perspectivas econômicas do Estado era de euforia, Porto Alegre se via como participante de uma marcha rumo ao progresso econômico, de uma arrancada para o desenvolvimento, - e era verdade!

Em 24 de julho de 1935, em Porto Alegre, Arnaldo Ballvé teve papel importante na fundação da Rádio Sociedade Farroupilha e a dirigiu até abril de 1943, quando a mesma passou a pertencer aos Diários Associados de Assis Chateaubriand.

Em setembro de 1935, em Porto Alegre, no ano do “Centenário Farroupilha”, inicia a construção da nova Ponte da Azenha sobre o Riacho (arroio Dilúvio, antigo rio Jacareí), com 4 pistas (duas para cada mão), com decoração em florões em suas extremidades, iluminação especial e placa comemorativa, inaugurada em 1936 pelo intendente (prefeito) major Alberto Bins, o marco Farroupilha ganha uma obra de arte com a grandeza do local.

Em 19 de setembro de 1935, em Porto Alegre, pelo Decreto nº 307 assinado pelo intendente Alberto Bins, a antiga Várzea (Campos da Várzea do Portão), Campos do Bomfim, Campos da Redempção, Parque da Redenção ganhou o nome de Parque Farroupilha em homenagem ao evento, a grande “Exposição do Centenário da Revolução Farroupilha 1835-1935”, que deixaria o parque drenado e urbanizado inspirado no projeto de urbanista francês Alfredo Agache, gerando grande legado.

- Em 1807, a área era chamada de Várzea do Portão, planície alagadiça que servia de estacionamento e acampamento de carreteiros, próxima ao antigo portão de entrada da Villa de Porto Alegre, a área do atual do parque acabou ficando do lado de fora da fortificação durante a Revolução Farroupilha.

- Após o Conflito Farroupilha, a inspeção da Câmara verificou irregularidades como cercas avançando em seu território e chácaras construídas bem em seu centro, nos Campos da Várzea, que foram demolidas.

- Nos anos seguintes, o governo e particulares tentaram fracionar a área, sempre encontrando oposição da vereança.

- A área também foi chamada de Várzea da Redenção por ser o lugar de fuga dos primeiros escravos, fugidos ou forros e até depois da abolição, nome que permaneceu na memória do porto-alegrense.

- Em 1883, pela construção da Capela do Senhor Jesus do Bom Fim a área era chamada de Campos do Bom Fim.

- Os Campos da Redenção teve sua utilização como área de lazer e passeio desde o final do século XIX, com a construção de vários locais; clubes esportivos e lazer e o Parque Paulo Gama.

- Em 2010, o Parque Farroupilha possui vários monumentos e recantos, é utilizado para descanso, praticar esportes, ou tomar um bom chimarrão com a Família, o local é freqüentado por toda a população da cidade.
No local há Lago, Pedalinhos, Área Comercial, Parque de Diversões, Mini-Zôo, Auditório e Complexo Desportivo e diversas promoções durante todo o ano.
Com 370 mil m2 de área e 45 monumentos.

Em 20 de setembro de 1935, domingo, em Porto Alegre, decidiram fazer uma ruidosa celebração da eclosão da Revolução Farroupilha e da pujança e garra do povo e da economia Gaúcha, luxo e grandeza com a sensação de poder que atravessava o Estado.

“99 Anos após Bento Gonçalves não ter chegado a cavalo no Rio de Janeiro (1836), chegou amarrado e conduzido ao calabouço do Forte da Lage, no meio da Baia da Guanabara, mas sua imagem e seus ideais estavam de tal forma viva, como metáfora, com os gaúchos instalados no poder, com Getúlio Vargas no Palácio do Catete (RJ)”.

- Foi inaugurado o espetacular e mais esperado evento, já realizado na cidade, a Exposição do Centenário da Revolução Farroupilha (1835/1935), com a presença do presidente da República Getúlio Vargas e demais autoridades.
A exposição não apenas mostrou ao Brasil a pujança da economia gaúcha como transformou o Parque da Redenção numa espécie de ilha da fantasia, capaz de proporcionar aos porto-alegrenses a ilusão que embarcavam numa maravilhosa era de modernidade, a exposição durou um ano.
Com cerca de 20 pavilhões que foram erguidos em estilo modernista de acordo com o modelo da época “art deco”; mais de três mil expositores participaram do certame.

- O parque foi totalmente remodelado e ajardinado para abrigar uma exposição nacional, com expositores do exterior, onde o Rio Grande do Sul e a sua capital, Porto Alegre aparecem em lugar de destaque.
Eram 22 hectares estruturados com jardins, fonte luminosa, chafarizes, recantos e um grande lago especialmente construído para o evento.

Todos os prédios construídos especialmente para a exposição:
O Pórtico de Entrada tinha 84 metros de largura e 22 metros de altura.
O Pavilhão da Indústria Gaúcha, de 230 metros 60 de largura e 19 de altura, mais de 900 indústrias possuíam estantes.
O Pavilhão da Indústria Estrangeira,
Os Pavilhões dos Estados participantes.
O Instituto de Educação (projeto de Fernando Corona), onde se exibia a Exposição Cultural um dos pontos altos da mostra, organizada por Walter Spalding, em 68 salas, onde se exibia impactante panorama da arte gaúcha:
- Uma quase completa exposição de jornais de 1829 a 1935,
- Boa parte da produção editorial de 1827 a 1935,
- Coleções científicas,
- Exposição de quadros de Pedro Waingartner,
O famoso Cassino, com sua estrutura “art deco”, em formato de um grande “Iate” (Pakete).
No primeiro dia 104 mil pessoas visitaram a Exposição.

Foram doados a cidade de Porto Alegre cinco monumentos pelas colônias estrangeiras em ensejo do Centenário Farroupilha:
- Coluna Jônica, instalada no Parque Farroupilha, em granito, doada pela Colônia Sírio-Libanesa, na placa lê-se:
“A Colônia Syrio-Libaneza Estado do Rio Grande do Sul no 1º Centenário Farroupilha.”
- Obelisco ao Fundador de Porto Alegre, Manoel Jorge Gomes de Sepúlveda (José Marcelino de Figueiredo), em granito, instalado junto a Avenida Sepúlveda, em granito, doado pela Colônia Portuguesa.
- Obelisco ao Centenário da Grande Epopéia, instalado no Parque Farroupilha, em granito, doada pela Colônia Israelita.
- Fonte Talavera de La Reina, idealizada por Fernando Corona e feita pelo ceramista Juan de Luca ou Juan Ruiz de Lima, instalada em frente à Prefeitura Municipal no Paço Municipal, na Praça Montevidéu, em cerâmica com azulejos mouriscos procedente de Talavera na Espanha, doada pela Colônia Espanhola.  
- O Gaúcho, monumento em bronze, do escultor uruguaio Federico Escalada, instalado no Parque Farroupilha, doada pela Colônia Uruguaia.

- Antes de voltar ao Rio de janeiro o presidente da República Getúlio Vargas disse ao intendente de Porto Alegre major Alberto Bins:
- “Felicito-vos pelo brilho do certame Farroupilha e volto encantadíssimo com tudo o que me foi dado observar.”

Em 22 de setembro de 1935, em Porto Alegre, foi realizado no “fortim” da Baixada, no Moinhos de Vento, o grande “match” que decidia o título do Centenário Farroupilha entre Sport Club Internacional X Grêmio FBPA, o rubro estava em vantagem na tabela invicto ante todos os adversários.
Neste dia a baixada estava tomada pelo público entusiasta. A duas equipes entraram em campo, como segue:
Grêmio: Lara, Dario e Luiz Luz, Jorge, Mascarenhas e Sardinha II, Russinho, Artigas, Fouguinho e Divino.
Internacional: Penha, Natal e Risada, Garnizé, Andrade e Levi, Tijolada, Tupã, Mancuso, Darci Encarnação e Honório.
Juiz: Francisco Azevedo, o popular Chico, extrema esquerda do Pelotas F. C.

- Quase nada se viu de técnica apurada, mas muito sangue e vontade de vencer. Durante 77 minutos (as partidas eram de 80 minutos).
Faltava somente 3 minutos e o Internacional permanecia no ataque, perto da conquista do cobiçado laurel.
Os tricolores se atiraram à luta como leões, rumo à vitória. Num relance que mal fez o público se refazer da surpresa, a meta escarlate era vasada duas vezes ante a mais justa explosão de entusiasmada torcida gremista. Os heróis foram carregados nos ombros, sobre uma saraivada de aplausos e gritos e ovação prolongadas.

- Nesta noite os gremistas jantaram juntos e então Eurides Guasque Mesquita (Sardinha I), que era treinador da equipe, que a histórica conquista fosse comemorada anualmente com um jantar. Deveria se organizar um livro que coletasse as assinaturas de todos que comparecessem no “Jantar Farroupilha”, durante 100 anos, até o segundo Centenário Farroupilha no ano de 2035, quando então uma nova partida ocorreria e se o Grêmio fosse o vencedor, os jantares continuariam, caso contrário, seriam encerrados. Assim nasceu a tradição gremista.

Em 17 de outubro de 1935, no Brasil, Rio Grande do Sul, foi organizado a Federação Riograndense de Ciclismo e Motociclismo - FRCM pelos clubes Esperança, Rio Grandense e Júpiter.

Em 15 de novembro de 1935, em Porto Alegre, houve o grande evento de comemoração do Centenário Farroupilha, o “Circuito Farroupilha”, uma corrida de baratinhas disputadas na Pedra Redonda, balneário da zona sul:

Participaram:
10 Gaúchos,
1 Carioca,
1 Uruguaio, Ramon Sierra, disputaram a prova.
Numa das curvas o carro de Sierra capotou espetacularmente, o piloto saiu vivo, mas gravemente ferido.
O gaúcho Roberto Jung, com um Ford V-8, foi o vencedor.

Em 23 de novembro de 1935, no Brasil, Natal, no Rio Grande do Norte, eclodiu a Intentona Comunista liderada por Luis Carlos Prestes que estava no Rio de Janeiro, e se espalhou em uma sucessão de levantes militares (Natal, Recife e Rio de Janeiro), orquestrada pela Aliança Nacional Libertadora e pelo Partido Comunista, mas fracassa em depor o presidente Getúlio Vargas.
No dia 28 de novembro a revolta é esmagada.

Em 20 de dezembro de 1935, em Porto Alegre, se encerrava a maior exposição já realizada em solo gaúcho a Exposição do Centenário Farroupilha, no novo Parque Farroupilha com a visita de 800.769 pessoas.
O custo chegou a 10.324.416 mil réis aos cofres públicos.

Em 1936, na Europa, Espanha, inicia a guerra civil Espanhola.

Em 1936, em Porto Alegre, é inaugurado o Edifício Guaspari, projeto de Fernando Corona, na Avenida Borges de Medeiros, erguido ao lado do primeiro arranha-céu da cidade o Edifício Malakoff, fazendo um bom conjunto entre o passado e o presente.
O Magazine Guaspari era pura vitrine no térreo.

Em 1936, em Porto Alegre, a Praça da Harmonia (atual Praça Brigadeiro Sampaio), destruída e nunca mais refeita, durante a construção do Porto de Porto Alegre, ganha o verso de saudade:

Praça da Harmonia
- Fragmento “Poemas da minha cidade” de Athos Damasceno Ferreira:

Ela foi o jardim dos poetas provincianos
- a velha Praça da Harmonia,
- rodeada de frades de pedra, alumiada de lampiões a gás,
debaixo das paineiras, com estátuas de louça à beira das aléias e bancos,
sob a fronde amorosa das tílias...

O Álvaro, o Felipe, o Dionélio, o Eduardo,
O Wamosy, o De Souza... andaram por ali...

Eles liam Samain,
                            Rodenbach,
                                              Verlaine...

Ao fundo, junto ao plinto e ao gradil da amurada,
o Guaíba embalava, às vezes, um veleiro...

E a noite camarada e cheirosa de orvalho
Acordava violões, nas esquinas, cantando...

Que é dos poetas que, um dia, ó velha praça morta,
embriagaste com o filtro amável dos teus luares,
das tuas sombras cariciosas,
dos teus silêncios confidentes?...

Em 1936, Porto Alegre, avança a Zona Leste, a Avenida Protásio Alves ganhou linha de bonde até a Rua Carazinho.

Em 1936, em Porto Alegre, no Cine Imperial, em uma noite que poderia se considerar emblemática, uma obra prima de Charles Chaplin foi lançada em grande estilo.
Iluminado por holofotes, o artista Procopinho (irmão do famoso ator Procópio Ferreira) dançou sobre a marquise imitando Carlitos, o filme era “Tempos Modernos”.

Em janeiro de 1936, em Porto Alegre, na Assembléia Legislativa, nas tentativas de “pacificação do Rio Grande” foram completadas pela assinatura de um acordo que constituiu o chamado “modus vivendi”, através do qual se estabeleceu no Estado uma espécie de parlamentarismo. A Assembléia Legislativa poderia convocar os secretários de estado para prestar declarações e esclarecimentos, assim como os secretários deveriam ter seus programas de governo aprovados pelos respectivos partidos.
Era ainda criado o cargo de presidente do secretariado para coordenar as atividades.
A pacificação do Rio Grande implicou na reconciliação dos políticos gaúchos.
A iniciativa de Flores da Cunha ameaçava reconstituir no Rio Grande um bloco regional de poder que se atravessava diante dos planos da ala getulista que visava o fechamento político do país.
Getulio Vargas interviu pessoalmente, desestruturando a política regional, gerando cisões, e até o quase “impeachment” de Flores da Cunha por um voto.

- O governo estadual pressentiu o golpe federal, passou a preparar-se materialmente, com o aparelhamento da Brigada Militar e do IIIº Exército. Porém, o governo central nomeou para os principais postos militares apoiadores do golpe de Getúlio Vargas.
O Governo Federal decretou ainda a federalização da Brigada Militar gaúcha e exigiu que o governador Flores da Cunha devolvesse os armamentos cedidos na ocasião da Revolução de 1932.

Em 15 de janeiro de 1936, em Porto Alegre, é inaugurada a estátua eqüestre do general Bento Gonçalves da Silva no dia do encerramento da Exposição Farroupilha, no Parque Farroupilha em frente ao Pórtico Monumental da Redenção.
O evento alcançou uma repercussão extraordinária, que fez encher o peito do general Flores da Cunha, Interventor Federal do Estado do Rio Grande do Sul, e do Intendente de Porto Alegre major Alberto Bins.
A cerimônia estava prevista para as 17 horas, o ato solene sofreu algum atraso por motivo da torrencial chuva o que impediu a esperada imponência da cerimônia.
Coube ao deputado Dario Crespo a honra de orador oficial da cerimônia, vindo do Rio de Janeiro especialmente.
Caringi trouxe da Alemanha 250 medalhas com efígie de Bento Gonçalves para distribuição a autoridades e convidados na solenidade inaugural.
Para a confecção da escultura Antonio Caringi levou para a Alemanha espada, botas, arreios e esporas, condecorações e um retrato a óleo de Bento Gonçalves, até o cavalo é um trabalho estilizado do artista do nosso cavalo crioulo, forte, sadio e redondo.
A estátua foi fundida na Fundição Noack de Berlim, em bronze castanho reluzente.

- Nada menos que 26 jornais europeus ocuparam-se, em elogios unânimes, do trabalho de Antonio Caringi.

Em 26 de maio de 1936, em Porto Alegre, na Cidade Baixa, morre o Príncipe Custódio aos 104 anos de existência.
Atendendo ao pedido expresso do morto, o velório e o enterro, foi feito dentro das tradições africanas com muito batuque e muitos "trabalhos", em intenção do morto.

- Com ele desapareceu uma das figuras mais impressionantes e diversas da nossa cidade, e muita gente ficou desamparada, pois a subvenção paga mensalmente em libras pelo governo inglês extinguiu-se com a morte do Príncipe de Ajudá, José Joaquim Custódio de Almeida.

Em 06 de agosto de 1936, em Porto Alegre, empresários brasileiros, argentinos e uruguaios formalizam a constituição da nova empresa – Ipiranga S.A. Companhia Brasileira de Petróleo.
Nascida em 1932, com projeto anunciado em Uruguaiana, para a independência do Brasil em combustíveis.
Em 07 de setembro de 1937, se instala em Rio Grande, depois de muitos problemas, os mais diversos (desde a propriedade a equipamentos) a Ipiranga cortava a fita de inauguração.
Em 07 de setembro de 1953, inaugurou novas instalações, com 9.300 mil barris de petróleo/dia.
Em 1957, criou a Distribuidora de Produtos Ipiranga S/A.
Em 2007, aos 70 anos, teve o controle acionário adquirido pela Petrobrás, Grupo Ultra e Brasken.

Em 1937, foi inventado a Caneta Esferográfica por Ladislao Birô.

Em 1937, em Porto Alegre, falece o violinista Octavio Dutra, nascido em 1884, foi um dos mais vendidos autores de música popular, a frente mesmo de colegas cariocas. Liderava o conjunto chamado “O Terror dos Facões” que era um estouro na execução de chorinhos.

Em 1937, em Porto Alegre, junto com a solução de energia da Usina Termelétrica do Gasômetro, veio o problema, o povo reclamava da sujeira, porque ao operar com duas pequenas chaminés (com carvão gaúcho de baixa qualidade) a usina espalhava fuligem por todos os lados, então foi construída a Chaminé de 117m para amenizar os problemas causados pela fuligem no Centro da cidade.

Em 1937, em Porto Alegre, José Zamprogna, irmão caçula de 11 irmãos, associou-se a um irmão e um amigo, com os três iniciava em Guaporé o embrião de uma das principais empresas de metal-mecânico no Brasil.
No final dos anos 1940, em Porto Alegre, os sócios abrem filial, passando a atuar na importação de produtos químicos, mudando a razão social para Zamprogna S/A.
Em 1959, abocanhou o primeiro pedido de chapas galvanizadas da Companhia Siderúrgica Nacional.
Em 1997, falece José Zamprogna e se filho Mario José Zamprogna assume a empresa.
Em 2008, a Zamprogna S/A, localizada em Porto Alegre a Avenida dos Estados, junto a Freeway, foi incorporada pela Usiminas.

Em 06 de maio de 1937, na noite, na América do Norte, Estados Unidos, em Nova Jersey, o gigantesco “Dirigível Hindenburg” construído na Alemanha a mando de Adolf Hitler, caiu quando descia na base americana de Lakenhurst, após as manobras de pouso, um incêndio tomou conta do dirigível.
O Zepelim de 245 metros de comprimento era o maior de toda a história.
Saiu de Hamburgo na Alemanha, com 97 passageiros, e cruzou o Atlântico a 110 km por hora.  O governo alemão sugeriu que o acidente seja resultado de sabotagem.

Em 15 de junho de 1937, em Porto Alegre, é fundado a Forjas Taurus Ltda., pelos sócios, o inglês João Kluwe Junior com Ademar Zanchi, Oscar Purpe, Eugênio Ervin Hausen, Herbert Müller e Guilherme Wallig (irmão de João Wallig, dos fogões Wallig), com oficina instalada na Rua Hoffmann, no bairro Floresta, a empresa só se formalizou dois anos depois, com capital de 600 contos de réis e nova sede na Rua Câncio Gomes. Mas as máquinas encomendadas da Alemanha, não chegaram, por motivo do início da IIª Guerra Mundial. Acabou fabricando suas máquinas, com vários fornecedores brasileiros, teve falta de combustível e aço, usou ferro velho para manter a produção de revólveres e ferramentas manuais.
O nome “Taurus” foi uma homenagem a mãe de João Kluwe Jr, Dona Taurina.
Em 27 de junho de 1949, virou S.A..
Em 1951, construiu novo parque industrial,
Em 1963, teve proposta de compra pela Amadeo Rossi de São Leopoldo, sua maior concorrente.
Na década de 1970, o controle passou a estrangeiros.
Em 1977, voltou às mãos brasileiras através da Polimetal.
Em 1997, a Amadeo Rossi passou a linha de revólveres em troca do pagamento de suas dívidas.
Em 2008 foi comprado da Rossi o direito de fabricação de armas de cano longo.
Em 2010, a Taurus é a maior fabricante de armas da América Latina.

Nota:
Gentleman e desportista, João Kluwe Jr., antes de fundar a Taurus já era um respeitável empresário, nascido em Bagé em 1888, o ex-caixeiro viajante foi dono da famosa Casa Kluwe de artigos importados, participou da criação do Zivi, e da marca Hércules, e teve a primeira fábrica de ferro estanhado de Porto Alegre.
“Sua casa do bairro Moinho de Ventos tinha quadra de tênis, piscina (a segunda particular da cidade) e um orquidário.

Em 14 de agosto de 1937, em Porto Alegre, nasce a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, a futura FIERGS, a terceira do Brasil, sei primeiro presidente foi Carlos Tannhauser.
Em 1933, a FIRJ – Federação das Indústrias do Rio de Janeiro e a seguir a CIB – Centro Industrial do Brasil
Em março de 1937, Roberto Simonsen criava a FIP – Federação das Indústrias Paulistas.
Em 12 de agosto de 1938, é criada a CNI – Confederação Nacional da Indústria, onde a Fiergs é uma das primeiras a se associar.
Presidentes de1937 a 1954:
Carlos Tannhauser (1937-1938)
Caleb Leal Marques (1938-1941)
A.J. Renner (1941-1942)
Caleb Leal Marques (1942-1943)
Herbert Bier (1943-1945)
Herbert Müller (1946-1948)
Ciro Selbach (1948-1950)
Herbert Bier (1950-1954)

- A.J. Renner, foi o “primeiro presidente do CINFA” e o major Alberto Bins presidente honorário do CINFA.

Em 19 de outubro de 1937, em Porto Alegre, no Palácio Piratini, o governador Flores da Cunha, impossibilitado de reagir face à decretação do estado de guerra contra o Estado pelo governo central de Getúlio Vargas, renunciou e fugiu para o Uruguai.

Em 20 de outubro de 1937, em Porto Alegre, no Palácio Piratini, o general de divisão Manoel de Cerqueira Daltro Filho (19.10.1937-19.01.1938), que fora designado para o comando do IIIº Exercito, assumiu o governo do Estado como interventor federal no lugar do exilado ex-governador Flores da Cunha, passando por cima dos interesses regionais que tinham outros nomes para interventor.

- O Estado Novo começava mais cedo no Rio Grande do Sul, interrompendo uma experiência parlamentar iniciada em 1935. A democracia está em seus últimos dias.

Em 22 de outubro de 1937, em Porto Alegre, é nomeado pelo Interventor Federal (governador) Daltro Filho, o intendente (prefeito) de Porto Alegre Loureiro da Silva (mandato: 22.10.1937-15.09.1943), descendente do primeiro sesmeiro, do antigo Porto de Viamão, Jerônimo de Ornelas, seu sétimo avô.

Estado Novo (1937-1945)

Em 10 de novembro de 1937, no Brasil, Rio de Janeiro, capital federal, nas vésperas das eleições presidenciais de 15/11/1937, o presidente da República Getúlio Vargas, declarando estar em perigo à unidade brasileira (os comunistas serão o bode espiatório, proposto através da polícia política chefiada pelo temível Filinto Müller), com apoio das Forças Armadas, decretou o fechamento do Congresso Nacional, substitui a Constituição por uma Carta Constitucional, a terceira da República e a quarta do Brasil, e inaugura o “Estado Novo”, no formato Facista italiano, Getulio Dorneles Vargas, Gaúcho, sem Vice, governa (até 29.10.1945) no cargo de presidente da República como ditador.
Os partidos políticos estaduais e nacionais são extintos, o poder e a força estão com o Estado Forte.

- O Estado Novo se apresentava como o único capaz de realizar a verdadeira democracia, moralizando as instituições e modernizando o país. Baseado num anti-liberalismo doutrinário e alardeando a falência dos regimes democráticos no mundo, o Estado Novo representava a vitória de uma corrente que entendia ser o autoritarismo a melhor forma de viabilizar o desenvolvimento capitalista do país.

Em 1938, na Europa, Alemanha, Otto Hahn, um pacifista, descobriu a “fissão nuclear”, abrindo caminho para a liberação de enormes quantidades de energia.
Otto tinha em mira o aproveitamento do átomo.

Em 1938, na Europa, Alemanha, depois de várias tentativas, a Áustria é anexada ao Reich Alemão, o “Anschluss”, a população austríaca ficou dividida.

Em 1938, no Brasil, Rio Grande do Sul, o estado tinha a segunda pior rede de estradas do país. Diante da constatação é criado pelo Governo do Estado, em Porto Alegre o DAER – Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem.
De 1939 a 1943, 22% da receita tributária foi absorvido pelo DAER, o que deixou o Rio Grande do Sul em 2º lugar no sistema rodoviário nacional.

Em 1938, em Porto Alegre, o compositor e cantor Lupicínio Rodrigues, estoura com a gravação de Ciro Monteiro: - “Se acaso você chegasse”.

Lupicício Rodrigues
- Lupicínio Rodrigues (1914-1974), compositor, cantava as histórias de abandono, separação e paixões, em 1947, grava o tristíssimo “Nervos de aço”, em 1950, outro sucesso na voz de Francisco Alves, gravou seu imortal samba “Cadeira vazia”.
Foi freqüentador assíduo do Restaurante Dona Maria na Rua José Montaury.

Em 1938, em Porto Alegre, é fundada o Liceu Musical Palestrina por Ângelo Crivellaro.
Em 1968, se tornou a Faculdade Palestrina.

Em 1938, em Porto Alegre, foi inaugurada a Companhia Siderúgica Riograndense, pelos pioneiríssimos empresários e pecuarista Victor Issler, Gabriel Moacyr e João Lahorque, uma mini usina siderúrgica à base de sucata ferrosa e forno elétrico a arco.
Feita para fabricar aço e laminados longos (em especial arame), a usina só entrou em funcionamento em 1946, enfrentando grandes dificuldades técnicas e financeiras.

Em 1938, em Porto Alegre, é inaugurado o Edifício Sloper, projeto de Fernando Corona, na Rua da Praia, com suas luminárias na fachada.

Em 1938, em Porto Alegre, é realizado o primeiro Campeonato Brasileiro de Ciclismo.

Em 1938, em Porto Alegre, outro clube alemão o Club Walhalla mudou-se para a Rua Nova Iorque em Porto Alegre.

Em 19 de janeiro de 1938, em Porto Alegre, Palácio Piratini, morre no cargo o interventor federal (governador) do Rio Grande do Sul Daltro Filho, criando um problema de sucessão.

- É indicado pelo governo central como interventor federal interino o Dr. Joaquim Maurício Cardoso (19.01.1938-04.03.1938), Secretário de Estado dos Negócios do Interior.

Em 27 de fevereiro de 1938, em Porto Alegre, é inaugurado na Praça Otávio Rocha, no Centro, herma em homenagem ao intendente (prefeito) Otávio Rocha, no décimo aniversário de sua morte.

Em 04 de março de 1938, para Porto Alegre, chega à notícia da morte do interventor federal interino Dr. Joaquim Maurício Cardoso, morto no cargo em acidente de avião, nas águas em Santos (SP).

- O presidente da República Getúlio Vargas optou para o cargo de interventor federal por alguém não comprometido com o Estado, o militar general Osvaldo Correa de Farias (04.03.1938-11.09.1943) foi o escolhido, com a alegação sutil:
- “se um gaúcho podia governar o Brasil, porque um brasileiro não podia governar o Rio Grande”.

Em outubro de 1938, na Europa, Alemanha, Hitler manda atacar e toma posse dos Sudetos tchecos, área industrial com população germânica.

Em 19 de novembro de 1938, em Porto Alegre, a Gesellschaft Leopoldina (Sociedade Leopoldina), fundada em 24 de junho de 1863, inaugurou um Departamento de Tênnis.

- Foi realizado um torneio de Tênnis prestigiado pelo bisneto da Imperatriz Leopoldina, Príncipe Dom Pedro de Órleans, no qual se sagraram campeões os tenistas Ary Juchem e Carmem Paz.

Em 1939, na Europa, Espanha, o “generalíssimo” Francisco Franco derruba o governo republicano e instaura a ditadura com mão de ferro e apoio Nazista.

Em 1939, na Europa, a Alemanha invade a Polônia e a Tchecoslováquia, tem inicio a Segunda Guerra Mundial.

Em 1939, no Brasil, Rio Grande do Sul, na cidade de Vacaria nasceu a “primeira Estação Rodoviária” do Brasil, por Vespasiano Júlio Veppo.

Em 1939, em Porto Alegre, o sujeito chamado Ernesto Moser, com vocação para a pintura, fecha o seu pequeno “restaurante circular” nos altos do Abrigo dos Bondes da Praça XV, onde estava desde 1937.

- No mesmo ano Moser é convidado pela Dona Maria Hopf, dona de restaurante que já havia passado por outros bairros da cidade, também o Gambrinus, foi inaugurado o Restaurante Dona Maria, referência no Centro de Porto Alegre, localizado na Rua José Montaury em frente ao seu antigo restaurante, ali Moser também expôs seus quadros anos a fio.

Em 1939, em Porto Alegre, é inaugurado o Restaurante Copacabana no Mercado Público pelo italiano Leonardo Vitola. (confirmar local)
Em 1953, junta-se Sanzi Biagio do Café Nice, na Dr. Flores a sociedade, levando sua clientela classe “A” para o restaurante.

Em 1939, no Brasil, Rio Grande do Sul, em Novo Hamburgo, a Irmãos Splinder de Arlindo e Emílio Splinder, depois chamada de Expresso Rio Grande-São Paulo.
Realizaram a primeira viagem interestadual de caminhão de “Porto Alegre a Florianópolis (SC)”, em tempo recorde, em 3 dias, fato quase impossível na época.
Logo após foi a vez da viagem “Porto Alegre a São Paulo (SP)”, em 11 dias, também um recorde, isto foi possível depois da compra de um caminhão em 1927 para fazer fretes.

Em 1939, em Porto Alegre, é inaugurado o imponente Edifício Vera Cruz, projeto de João Antônio Monteiro Neto, erguido na esquina da Avenida Borges de Medeiros e Rua Andrade Neves, o primeiro grande prédio da cidade.

- No térreo do Vera Cruz foi instalado o vibrante Cine Vitória.

Em 1939, em Porto Alegre, para acabar com as cheias perante as chuvas, o intendente de Porto Alegre Loureiro da Silva, inicia as obras de Retificação do Arroio Dilúvio (Rio Jacareí ou Riacho), entre as Avenidas João Pessoa e Praia de Belas. No início do século o intendente José Montaury já havia feito algumas altereções neste sentido.

Em 12 de janeiro de 1939, em Porto Alegre, a Revista do Globo estampou na sua edição o título “A Praça Quinze na Noite de Ano Bom”:
- “Sob a copa escura do arvoredo, esconde-se o romântico Chalé da Praça Quinze, histórico na vida boêmia dos poetas porto-alegrenses de alguns anos passados. Com suas mesas ao ar livre, com seu chopp gelado, aquele centro da praça, nas noites de fim de ano, reúne o povo ansioso pelo berrar das sirenes e badalar dos sinos que marcam simbolicamente a passagem do ano. Ali não há bilhete de entrada, não há smoking para atrapalhar os movimentos do festejante e, por isso, parece que há maior alegria: - os ruídos de copos a se chocarem, as risadas nervosas dos que querem esquecer um ano que está passando e esperam uma felicidade prometida por centenas de abraços, tudo empresta a tradicional Praça Quinze uma alegria diferente, simples, popular. E as serpentinas esvoaçam por sobre cabeças  e mesas unindo o povo num abraço único, desejando um mútuo feliz Ano Novo!”

No primeiro semestre de 1939, em Porto Alegre, é publicado o primeiro número do Boletim Municipal, da Intendência de Porto Alegre.
No fecho da apresentação, escreveu o bibliotecário Walter Spalding, fiel escudeiro do Dr. José Loureiro da Silva:
“Dentro, pois, deste programa, o Boletim Municipal tem por finalidade coordenar o passado e o presente da comuna para um fim de utilidade comum que é, ilustrando nossos munícipes, fazer propagar a grandeza do município dentro do Estado, e do Estado dentro da Pátria, grande, una, indissolúvel.”
Como fonte primordial e fidedigna, de notório interesse, o Boletim nos coloca a par dos atos oficiais desde 1939, graças ao empenho do redator e diretor Walter Spalding.

Em 29 de abril de 1939, em Porto Alegre, é inaugurada a nova sede do Clube do Comércio, o conhecido “prédio rosa” na Rua dos Andradas em frente à Praça da Alfândega.
Os salões do primeiro andar se tornaram ponto de encontro dos políticos influentes.
Os salões de jogos testemunharam numerosos campeonatos de sinuca e bridge.
Na década de 1960, no Salão dos Espelhos, se apresentaram grandes astros da música brasileira.

Em 26 de setembro de 1939, na Europa, Londres, morre aos 83 anos, austríaco Sigmund Freud, médico neurologista e “fundador da psicanálise”, vítima de um câncer no maxilar, do qual padecia há 16 anos.
Freud apresentou ao mundo o inconsciente e desenvolveu uma teoria da personalidade, além do estudo da histeria, neuroses e sonhos.
Na invasão Nazista em Viena (Áustria), refugiou-se na Inglaterra.

1940
Novos Caminhos se Abrem

No final de década de 1930, em Porto Alegre, os novos prédios no Centro tinham no mínimo 5 andares.
Há pressa das autoridades para que se edifiquem nas avenidas.
Quem construísse na nova Avenida Borges de Medeiros, sob a gestão do intendente major Alberto Bins, ficava isento de impostos municipais por cinco anos.

- A norma passou a ser a destruição da arquitetura existente para dar lugar a “tal modernidade”, com a construção de edifícios altos, o que a tecnologia do “elevador” já permitia.

- A Avenida Borges de Medeiros concentra os grandes edifícios da década de 1940, como o Sulacap, o Sul América e o União que com seus 20 andares era considerado o maior do Estado em altura.

- O Edifício Vera Cruz na Esquina da Avenida Borges de Medeiros com Rua Andrade Neves é um marco da arquitetura modernista, e o Edifício Frederico Mentz, na Rua Otávio Rocha.

Em 1940, no Brasil, Rio de Janeiro, capital federal, é instituído pelo Estado Novo do presidente Getúlio Vargas, o Salário Mínimo, menor remuneração que poderia ser pago aos empregados e operários no país (público ou privado).

Em 1940, em Porto Alegre, a população é de 275 mil habitantes.

Nos anos 1940, em Porto Alegre, o arquiteto da Intendência Municipal Edvaldo Pereira Paiva deu outra dimensão ao planejamento da cidade, pois foi o primeiro a estudar a realidade sócio-econômica e o uso correto do solo.

Até 1940, em Porto Alegre, os porto-alegrenses não reclamavam da falta de transporte por via seca, pois as estradas não eram boas e confiáveis. O deslocamento de pessoal e cargas (incluindo animais vivos) para vários municípios banhados pelo Guaíba, Lagoa dos Patos e Delta do Jacuí era por Serviços de Barcas, das companhias de Navegação.

- Desde a década de 1830 já havia transporte regular de pessoas, produtos agrícolas e artesanais em lanchões fabricados por imigrantes.
Na década de 1840 iniciou a navegação a vapor.
A Arnt e Becker ligava o interior à capital através da rede de rios e arroios navegáveis.
As companhias navegadoras atendiam regularmente passageiros, cargas e mistos, entre Porto Alegre, Pedras Brancas (município de Guaíba a partir de 1926) e Barra do Ribeiro, entre elas:
Companhia de Navegação Becker Ltda, fundada e 1882, possuía 27 navios, seus vapores Santa Cruz e Budi, outras embarcações de carga, lanchas-motores Espada e Itapuã, o iate Mariazinha, e mais cinco barcos auxiliares, fazia a linha Porto Alegre/Barra do Ribeiro, realizava transporte de passageiros e cargas entre Porto Alegre e as praias da Alegria, Vila Elsa, Florida, Belém Novo, Lami, Itapuã e Barra do Ribeiro
Companhia de Navegação Pedras Brancas Ltda, possuía 17 navios, fundada em 1907, em 1940 possuía os vapores Guaporé e Pedras Brancas, eventualmente atendia os portos de Petim e Cristal (este somente para a carga de gado em pé), também os lanchas-motores para cargas, Boa Vista e Guaíba e mais três embarcações auxiliares, além de barcos com adaptações especiais para o transporte de carne verde e gado em pé.

Em 1940, em Porto Alegre, o DAER – Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do RS assumiu o compromisso de construir uma travessia a seco – túnel ou ponte, foi criada uma comissão coordenada pelos engenheiros João Carlos Teixeira, Marcos Kruter e A. M. Waldock para estudar e comparar alternativas de travessia do lago. O resultado desse trabalho foi apresentado e debatido na Sociedade de Engenharia e toda a argumentação técnica foi publicada em Boletins do DAER.

- Enquanto se realizava os estudos de uma solução definitiva iniciou-se o serviço de barcas para a travessia do Lago Guaíba (Porto Alegre a cidade de Guaíba), criado pelo prefeito Loureiro da Silva e o DAER:
Embarcadouro da Vila Assunção
“Como contribuição para execução do programa do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem - DAER de ligar Porto Alegre com o sul do Estado por boas estradas, a Prefeitura tomou para si o encargo de construir o embarcadouro da Vila Assunção, no final da Avenida Pereira Passos, para atracação da barca que faria a travessia do Guaíba até Pedras Brancas (cidade de Guaíba).
Em 1940, a despesa efetuada com esse serviço foi de Cr$ 39.638,07.
Em 1941, a despesa efetuada foi de Cr$ 118.506,38.
A obra foi terminada executada por esta administração.”
Conta o DAER com as seguintes unidades:
Barcas de convés alto – DAER 1, DAER 2,
Barcaça tipo invasão – DAER 3, DAER 4, DAER 5 e DAER.

Em 04 de janeiro de 1940, em Porto Alegre, o Decreto nº 4, o intendente Loureiro da Silva nomeou o bibliotecário Walter Spalding ou W. SP. (como era sua rubrica) como diretor da Diretoria de Arquivo da Prefeitura Municipal.

Em 04 de fevereiro de 1940, noite, Carnaval, em Porto Alegre, a Praça XV acolhia uma pequena multidão para festejar o Carnaval na Praça XV, e assim conta Dona Irene:
- “Lembro com saudades. Era uma linda noite, o céu estrelado, a cidade em clima de festa, muita descontração e alegria. O conjunto tocava e cantava músicas de carnaval. Carros alegóricos passavam, jogando serpentinas, confete e lança-perfume. A alegria pertencia a todos. Os músicos sempre tocando lindas marchinhas e sambas, às vezes, um tango. Ouvia-se, de quando em quando, uma voz – “Cada um com seu par!” – e o povo atendia a seu comando. Parecia que estávamos num clube.”

- Logo eram 3 horas da madrugada. Saí do Chalé com os meus amigos. Fiquei feliz ao ser acompanhada pelo novo namorado; não queríamos nos separar. Combinamos novo encontro no domingo, às dez horas, na igreja do Rosário.
Em 25 de dezembro de 1940, noivamos e em 26 de julho de 1941 casamos.
E fomos felizes para sempre!

Em 08 de março de 1940, em Porto Alegre, a linha São Paulo/Rio Grande da Viação Ferroviária Rio Grande do Sul - VFRGS foi encampada pelo governo federal e repassada para a RVPSC em 1942.

Em 21 de agosto de 1940, América do Norte, México, é morto no exílio Leon Trotski, um dos líderes da Revolução Russa (1917), vítima de um grande atentado, o suposto jornalista Ramón Mercader cravou um furador de gelo em sua cabeça, tudo leva a crer que o fez a mando de Josef Stalin, chefe de Estado da União Soviética.

O Primeiro Bi-Centenário de Porto Alegre 1740-1940,
Foi comemorado, mas não valeu.

Em 05 de novembro de 1940, em Porto Alegre, em comemoração ao bi-centenário da cidade, após grande pesquisa pedida pelo o intendente José Loureiro da Silva que era descendente de Jerônimo de Ornelas o primeiro sesmeiro da região que aqui chegou em 1740, e que em suas terras iniciou o povoado do Porto dos Casais (Porto Alegre).
Grande festividade é realizada, com desfile cívico na Avenida Borges de Medeiros e muitas inaugurações.

Foi instituído a primeira Semana de Porto Alegre. Na ocasião foram lançados dois concursos: - “Canção de Porto Alegre” e “Jogos Florais de Porto Alegre”.

- São inaugurados no período de 6 anos do governo do intendente (prefeito) Loureiro da Silva (22.10.1937 – 15.09.1943) a Avenida Farrapos, Avenida Salgado Filho, Praça Piratini (já com o monumento de Bento Gonçalves transferido do Parque Farroupilha para a nova Praça), e o prolongamento da Avenida João Pessoa entre outras.

Avenida Farrapos
Com 5 quilômetros de extensão, foi a primeira grande radial (ligação do centro a periferia) de Porto Alegre. Suas dimensões, jamais vistas na capital, inauguraram o tempo dos corredores, radiais e perimetrais, que hoje constituem a malha viária da cidade.
Prevista no Plano Maciel (1914), como modo de descongestionar a Rua Voluntários da Pátria, ao ser executada adquiriu outro caráter:
- O de conexão com os municípios do norte da cidade.
Ao abrir caminho para as zonas industriais, a Farrapos saneou bairros através da canalização das águas pluviais e do aterro de terrenos alagadiços.
Foi tão significativo que ao ser inaugurado em novembro de 1940, o prefeito Loureiro da Silva tinha ao lado o presidente Getúlio Vargas. Vivia-se o Estado Novo, e, era mais fácil executar desapropriações, devido ao período discricionário e ao aval federal para a obtenção de empréstimos.

- A Avenida Farrapos tinha uma larga pista central de duas mãos e pistas laterais para acesso as transversais.
Partiu da Rua da Conceição, derrubando casarões antigos, Avançou até a Rua Ramiro Barcelos, e mais adiante entre a Rua Gaspar Martins e a Rua Câncio Gomes, roubou um trecho de 550 metros da Rua Santos Dumont – que, por isso, inicia sua numeração inicia no número 500.
Na altura da Rua Félix da Cunha, a Farrapos incorporou a Rua Minas Gerais até a Rua Arabutã, num trecho 1.100 metros. Ultrapassou a Rua Sertório, dobrou à direita e seguiu até e Rua Dona Theodora.

Em 1941, na Europa Oriental, a Alemanha invade a Rússia rompendo o Tratado de não agressão.

Em 1941, na América do Norte, junto ao Pacífico, em um plano secreto e bem desenvolvido o Império do Japão ataca a base americana de Pearl Harbor no Havaí fazendo os Estados Unidos entrar definitivamente na guerra.

Em 1941, em Porto Alegre, é instalada a “primeira Rodoviária da capital pelos sócios Vespasiano Julio Veppo e Júlio Castilhos de Azevedo, na Praça do Coliseu (atual Osvaldo Cruz). Três ou quatro companhias transportadoras se posicionavam em torno da praça apenas na hora do embarque dos passageiros, João Veppo, filho, era encarregado da emissão dos bilhetes, o sistema foi criando credilidade para os viajantes. Aos poucos os 12 metros da Praça do Coliseu ficaram pequenos.
A mudança foi para o Largo Visconde de Cairú, frente ao Palácio do Comércio.
Depois foi transferida para a Praça dos Bombeiros (atual Rui Barbosa) esquina Avenida Júlio de Castilhos.

Em 1941, em Porto Alegre, o intendente José Loureiro da Silva, dizia:
“A nossa cidade herdou do passado um caráter nitidamente radial. Já que possuímos, devemos melhorá-lo e completá-lo”.

O comentário sobre a forma de leque das principais ruas convergindo para o Centro é do prefeito Loureiro da Silva, em 1941. O trânsito era complicado e o motorista “precisa percorrer um verdadeiro labirinto de ruas estreitas e atravancadas”.

Radiais
Em Porto Alegre justifica-se que de 1937 a 1957 os intendentes e prefeitos tenham se dedicado a abrir ou alargar corredores como ruas novas: - Farrapos, Ipiranga, Protásio Alves, Sertório e Assis Brasil.
Já nasceram largas: - 10 de Novembro (Salgado Filho) e Vasco da Gama.
Outras ruas como: - Getúlio Vargas, Cristovão Colombo e João Pessoa são duplicadas ou prolongadas: - como a Rua Benjamin Constant.

Em 10 de abril de 1941, em Porto Alegre, começou a chover sobre a cidade durante 22 dias, causando a maior Enchente da cidade. Os índices pluviométricos atingiram altíssimos 619,4 milímetros. O Guaíba chegou a subir mais de quatro metros acima de seu nível normal. Nunca houve, nem antes (conhecida) nem depois, uma enchente como esta na cidade.

Na tarde de 22 de abril de 1941, 12º dia da enchente, em Porto Alegre, desde o início das chuvas, ao mesmo tempo em que senhoras pediam na Catedral a volta do Sol, na praça em frente um raio atingiu o alto do monumento de Júlio de Castilhos.

- A situação, que já era ruim, pioraria até 08 de maio de 1941, quando o Guaíba bateu seu recorde – 4,73m acima do seu nível.
No total, 40 mil desabrigados tiveram de ser atendidos pelas autoridades.
Essa “paisagem veneziana, que seria pitoresca se não fosse dolorosa”, como definiu o Correio do Povo.

O panorama das ruas naqueles dias; havia uma explicação simples:
- Não chovia só em Porto Alegre, mas também sobre as bacias de todos os rios do estado que deságua no Guaíba.

- No cais do porto, a água estava 1,73m acima da calçada, e cobria a Rua da Praia desde seu início até a Rua Uruguai, o trânsito era feito por barcos a remos ou carroças, puxadas por cavalos nas partes mais rasas.

- Os cinemas localizados na Praça da Alfândega fecharam.
Os bairros Menino Deus, Azenha, Santana, Cidade Baixa, Praia de Belas, Floresta – onde a água alcançou a Benjamin Constant – e Navegantes foram os bairros mais atingidos.

- Os colégios deram férias, mas os estudantes foram engrossar os batalhões de ajuda.
Os vagões dos trens serviam de abrigo aos flagelados (as linhas para o interior estavam paralisadas), mas isso só até serem tomadas pelas águas.

- Foram atingidas 15 mil casas, 200 fábricas (entre elas Renner e Gerdau) e 600 estabelecimentos comerciais, principalmente as localizadas as margens do Guaíba no Caminho Novo (Voluntários da Pátria).

- O presidente da República Getúlio Vargas determinou auxílio integral à Porto Alegre. No Rio de Janeiro e São Paulo, formaram-se seleções de futebol, que fizeram dois jogos beneficentes.

- A preocupação maior era com as epidemias. A cidade montou 80 postos de socorro, nos quais foram aplicadas 50 mil vacinas contra o tifo, 14 mil contra varíola e 600 contra difteria. Quando faltava energia, a vacinação continuava à luz de velas.

No dia 15 de maio de 1941, em Porto Alegre, finalmente, o Sol apareceu.
Mas o mesmo vento “Minuano” que limpou o tempo represou as águas do Guaíba, permanecendo a enchente.
Só no fim do mês, o primeiro trem conseguiu sair da Estação Central.

- Após a grande enchente o intendente Loureiro da Silva inicia as obras de retificação do Arroio Dilúvio (antigo Riacho), projetadas em 1939, entre as avenidas João Pessoa e Praia de Belas, antes de receber recursos federais no final de 1941.
Ainda canalizou o Arroio Cascata.
Em quatro anos até 1942, foram feitas 204 desapropriações, e eliminou-se a Rua 28 de Setembro.
Duas dragas foram abrindo o desvio de retificação do arroio de 1.300 metros do novo percurso.

- Com e remodelação de Porto Alegre, o intendente Loureiro da Silva, sem aviso prévio, removeu o Monumento de Bento Gonçalves do Parque Farroupilha para a Praça Piratini, na ponta da Avenida Bento Gonçalves, a vantagem é que a estátua recebeu um pedestal mais alto, com novos adornos e a frase magistral do general Bento Gonçalves:
“Compatriotas! - O nome da Pátria nunca soou em vão aos meus ouvidos”.

Em 1941, em Porto Alegre, após a grande enchente a indústria gaúcha precisava de ajuda, A.J. Renner, terceiro presidente da Fiergs, apelou aos governos federal, estadual e municipal e a CNI, e foi atendido.
As indústrias paulistas tinham maiores vantagens que a gaúcha afetada pelo racionamento e o esforço de guerra.

Em 22 de novembro de 1941, no Brasil, Rio de Janeiro, é criado oficialmente através do decreto-lei nº 4.048 o SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, onde A.J. Renner como presidente da CINFA – Centro da Indústria Fabril acompanhou todas as etapas da implantação das escolas para criar mão-de-obra industrial especializada.
As primeiras escolas do SENAI no Rio Grande do Sul foram instaladas em Porto Alegre, Caxias do Sul, Novo Hamburgo e Rio Grande.

Em 09 de dezembro de 1941, em Porto Alegre, em memória do grande professor Luiz Englert era perpetuada pela Escola de Engenharia e cidade de Porto Alegre, na expressiva herma que se ergue em pleno Centro Universitário, na Avenida Professor Luiz Englert. Onde lê-se na placa em bronze:
Engenheito Civil, Minerologista
Sábio Rio-Grandense, e Professor da
Universidade do Rio Grande do Sul.

Em 1942, no Brasil, nasce a UNE – União Nacional dos Estudantes.

Em 1942, no Brasil, Rio de Janeiro, o Governo Federal decretou a “retenção das contas bancárias” dos industriais de “ascendência germânica, italiana e japonesa”, para ressarcimento dos prejuízos causados pelo afundamento de navios brasileiros por submarinos alemães, o que afeta os empresários em Porto Alegre e em todo o sul do país.

Em 1942, no Brasil, Rio de Janeiro, o governo federal suspendeu o “direito de reunião”.

Em 1942, em Porto Alegre, é inaugurado o magnífico Edifício Sulacap, na Avenida Borges de Medeiros, ocupando meia quadra entre a Rua da Praia e a Avenida Salgado Filho.

Em 1942, em Porto Alegre, é feita a penúltima apresentação a pelotense Zola Amaro, o maior nome que o Rio Grande do Sul conseguiu na lírica mundial. Admirada por todos fez turnê pelos melhores e maiores teatros do Brasil e exterior.
Ainda em 1920, no início da carreira, recebia um alerta técnico, quando cantou “La Gioconda” (Ponchielli) com Beniamino Gigli no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Oscar Guanabarino (Jornal do Comércio, 15.05.1920), escreveu:
“... aceitou este papel a Sra. Zola Amaro, por poder e querer... mas também diremos com toda a franqueza a nossa talentosa patrícia que não deve provocar essas grandes ovações do público à custa do seu futuro. A sua voz não é a de soprano dramático; trata-se de um soprano meio caráter forte e o seu repertório deve ser dessa voz.”

- Sem discos e filmes para auferição da voz, nos reta os jornais da epóca. Em seus altos e baixos e isolacionismo em 14 de maio de 1944, na casa de amigos cantou a modinha “Quem Sabe”, ao sair, na calçada teve um fulminante colapso cardíaco. Entardecia.

Em 22 de agosto de 1942, no Brasil, após o afundamento do navio brasileiro “Cabedelo” torpedeado por submarino alemão (19 navios mercantes foram afundados). O Brasil rompe relações diplomáticas com a Alemanha.

Em 13 de março de 1942, em Porto Alegre, os moradores do “4º Distrito”, retiram as placas de ruas com nomes de países do Eixo (Alemanha, Itália, Japão) na 2ª Guerra Mundial, substituindo-as por placas com os nomes dos navios brasileiros afundados pelos submarinos alemães: Taubaté, Olinda, Arabutã, Cairú, etc...

Em 26 de julho de 1942, em Porto Alegre é fundado no balneário da zona sul a Sociedade Amigos da Vila Assunção – SAVA, as margens do Guaíba.

Em 15 de agosto de 1942, em Porto Alegre, surgiu a notícia de que um submarino alemão U-507 havia torpedeado e afundado o navio mercante de bandeira brasileira Baapendi, matando 270 tripulantes, no litoral do Nordeste brasileiro, foi a gota d’água, o povo sai as ruas e exige do governo uma reação.

Em 18 e 19 de agosto de 1942, em Porto Alegre, pela notícia do afundamento do mercante brasileiro durante a IIª Guerra Mundial, a “revolta revelou-se contra os alemães, italianos e seus descendentes” (como já acontecido em abril de 1917 durante a Iª Guerra Mundial), justamente os responsáveis pelos setores mais dinâmicos da indústria da cidade foram perseguidos e acusados de apoiar o inimigo (Reich Alemão), a massa popular quebrou várias lojas do Centro, baseada apenas no sobrenome; Renner, Krahe, Lyra, Guaspari, Stoduto.
Por ser repleta de alemães, Porto Alegre foi um dos “epicentros da fúria popular”.
O quebra-quebra se iniciou na Rua da Praia, na Confeitaria Woltmann e nas Casas Lyra, mas logo chegou às fábricas, seguindo pela Rua Voluntários da Pátria, como Neugebauer e Renner (que no ano anterior haviam sido atingidos pela enchente). A Fundição Berta, de Alberto Bins, que escapara em 1918, desta vez não foi poupada: - um dos invasores entrou no seu escritório e quebrou-lhe a escrivaninha.
“Pelo menos pediu licença”, recordaria o major Alberto Bins.
Vários estabelecimentos ficaram destruídos ou avariados, e alguns nunca mais se recuperaram.

- Nas escolas as crianças também sofriam. São dessa época rimas agressivas como:
“Alemão Batata, como queijo com barata.”

- Há casos de meninos que pediram para pintar os cabelos loiros de negro e óculos escuros para esconder os olhos azuis.

- O Brasil é pressionado a sair da neutralidade (pois não tinha certeza de quem apoiar mesmo pendendo ao lado nazi-facista), isto marca a passagem da influência inglesa para a norte-americana.

- A indústria de Porto Alegre sofreu dois ataques entre maio de 1941 e agosto de 1942, primeiro a grande enchente, depois o ataque do povo, ou parcelas dele, tendo como alvos industriais e estabelecimentos comerciais de alemães e descendentes.

- Em Porto Alegre com a guerra homens e mulheres de “descendência alemã” que faziam parte da vida da cidade e a fizeram crescer e se desenvolver foram marcados profundamente em uma cidade que era de todos. Jornais, Bares, Escolas, Restaurantes, Associações de origem alemã passaram por profundas mudanças de nomes e em alguns casos, fecharam para sempre.

Em 22 de agosto de 1942, no Brasil, os presidentes Getúlio Vargas do Brasil e Franklin Roosevelt (EUA), após negociações, onde em troca da instalação da base militar em Natal (RN) os EUA emprestaram U$ 20 milhões, para construção da Usina Siderúrgica de Volta Redonda, que o Brasil já estava em tratativas anteriores para a instalação com a Alemanha.

Nota:
- Em 1938, dentro do Plano Siderúrgico Nacional, o chefe da Comissão Executiva, coronel Macedo Soares, foi para a Alemanha, negociar com a empresa Krupp (líder no setor siderúrgico) a construção de uma usina siderúrgica no Brasil.
Os assessores do presidente Roosevelt (Estados Unidos), consideravam o acordo desastroso, pois asseguraria a predominância da Alemanha e Adolph Hitler na vida econômica e militar do Brasil.
A base militar norte-americana em Natal (RN), eram preparativos para a invasão do Norte da África.

Em 31 de agosto de 1942, o Brasil Declara Guerra contra o IIIº Reich Alemão e a Itália.
Já haviam sido afundados 36 navios brasileiros pela marinha e aeronáutica da Alemanha.
Com a declaração de guerra, o governo do Presidente Getulio Vargas proibiu que se falasse em italiano, alemão e japonês, muitas pessoas não saiam de suas propriedades, pois mal falavam o português, e tinham medo de serem detidas ou agredidas.

- A imprensa nacional ficou mais ágil e também mais americana, pela influência da base instalada em Natal (RN), surgiu o “Repórter Esso”, noticiário radiofônico em nível nacional, a Revista “O Cruzeiro” que fez uma cobertura dinâmica da luta na Europa e a participação do Brasil.

Em 12 de setembro de 1942, em Porto Alegre, o Governo do Estado através do Decreto-Lei nº 238 abriu um crédito de 2.500 contos de réis para custear as despesas com a defesa da capital.
Foi criada uma Comissão de Defesa formada pelo intendente (prefeito) Loureiro da Silva, o delegado auxiliar Amaro da Silveira, o capitão Souto Malan chefe da 3ª Região Militar, Herófilo Azambuja representante do governo do Estado e o engenheiro Egídio Costa representante da Intendendência (Prefeitura). Entre os membros da comissão havia um consenso no que se referia à necessidade de construção de abrigos anti-aéreos na cidade.

- Os abrigos de Londres (Inglaterra), que protegiam os ingleses dos constantes bombardeios alemães, serviam como exemplo da eficácia dessas construções.
A Intendência chegou a interromper as obras em andamento – com exceção da edificação do Pronto Socorro (atual HPS) – para que os “abrigos anti-aéreos” começassem a ser construídos em regime de urgência.

- A Comissão promoveu meticulosos estudos que apontaram os locais mais adequados para os abrigos.
No Centro da cidade seria estabelecido o maior e principal, embaixo do Viaduto Otávio Rocha, em plena Avenida Borges de Medeiros. Sob a supervisão do engenheiro Egídio Costa, essa construção ainda seria composta por um grande túnel subterrâneo, com passagem para pedestres, ligando o bairro Centro ao bairro Cidade Baixa. As creches são Francisco e Navegantes, o Asilo Providência e o Orfanato Pão dos Pobres, também estavam incluídos nos projetos. A iniciativa privada, a exemplo dos órgãos públicos, também começou a arquitetar locais que oferecessem proteção contra bombardeios nas dependências das fábricas, estabelecimentos comerciais, colégios e prédios.
Além dos abrigos, foram coordenados inúmeros exercícios de defesa da população, dentro os quais se destacavam os blecautes noturnos.
Orientados pelos zunidos das sirenes e móveis, promoviam o escurecimento da cidade.

Em 18 de setembro de 1942, em Porto Alegre, é realizado o primeiro Ensaio Geral de Blecaute, como prevenção contra ataques aéreos.
As galerias abaixo no viaduto Otavio Rocha, junto a Avenida Borges de Medeiros, foram reservadas como bunker de proteção contra possíveis bombardeios.

- Foram capturados espiões alemães, racionamento de produtos, principalmente importados da Europa e Ásia, mas o maior racionamento seria de gasolina, por esse motivo os carros circulavam utilizando “gasogênio” (aparelho que queima carvão como combustível).

- Porto Alegre durante a Segunda Guerra Mundial tinha o temor de bombardeios da “Luftwaffe”, a força aérea alemã, diversas campanhas foram lançadas com o objetivo de defender a população da Capital de presumíveis ataques:
- O jornal Diários de Notícias, durante os anos de 1942-43, promoveu uma arrecadação de donativos para a compra de um aviãoque seria doadoà Força Aérea Brasileira para a patrulha do litoral brasileiro.
- No final de 1942, o jornal Correio do Povo, procurando uma maior objetividade na defesa da população, lançou uma subscrição pública com o objetivo de levantar fundos para a construção de abrigos anti-aéreos, tanto na capital como no interior do Estado.

Em 10 de dezembro de 1942, em Porto Alegre, ao som do Hino Nacional, cantado por grupos orfeônicos, e com continência das tropas, em evidente forte comoção, os despojos do General Daltro Filho e do Doutor Maurício Cardoso são transladados para seus suntuosos mausoléus, no Cemitério da Santa Casa, obras do escultor Antônio Caringi.
Talvez tenha sido essa uma solenidade única no Rio Grande do Sul.
Em 1938, Mauricio Cardoso, Secretário do Interior sucedera automaticamente o General Daltro, que falecera, no cargo de Interventor Federal do Estado (era o Estado Novo), mas quatro meses depois era ele que também falecia.

Em 24 de dezembro de 1942, em Porto Alegre, na data do quarto ano de falecimento, é inaugurado o belíssimo monumento a Joaquim Francisco de Assis Brasil (29.07.1857*-24.12.1938+), no Parque Farroupilha nas proximidades do Instituto de Educação Flores da Cunha (fundos).
Assis Brasil foi vulto singular na história política do Rio Grande do Sul, com projeção no cenário nacional, nos altos escalões que ocupou, do Império a República.
Estavam presentes as mais altas autoridades do Estado, o Interventor Federal Cordeiro de Farias, Décio de Assis Brasil representou a viúva (Dona Lídia de Assis Brasil)
O orador oficial da cerimônia foi o professor Raul Pilla.
Após falou o intendente José Loureiro da Silva, agradecendo, a doação do monumento a cidade, proferiu:
“Há pouco tempo, a Municipalidade promulgou um decreto que coibia o uso dos nomes dos mortos em logradouros públicos e a ereção de monumentos antes de um período de 5 anos após sua morte.
É que pretendíamos evitar um julgamento apressado, feito na sentimentalidade dos primeiros momentos ou nas paixões dos primeiros instantes. Um período de 5 anos era um bom tempo para o juízo definitivo dos homens e das situações.
Mesmo que o Município não tivesse outorgado, como outorgou, antes da promulgação do decreto, a licença para a ereção deste monumento a Assis Brasil transcenderia do espírito daquela lei, e ultrapassaria aos rígidos artigos daquele decreto.
Não cabe a mim traçar-lhe a biografia, o que fez com tanto brilhantismo o professor Raul Pilla.
É incontestável que Assis Brasil teve o seu julgamento já em vida, o qual cresce agora, mais ainda depois de morto. Inegavelmente, é uma figura que encheu todo o cenário de tempo, do fim do Império, nos pródomos da República e no transcorrer do movimento novo que se fez no Brasil.  Por isso mesmo, a cidade recebe, com orgulho, o monumento a Assis Brasil, que foi, sem favor, um dos maiores brasileiros.”

- O Monumento obra do escultor Luiz Sanguim, executado em oficinas da Capital, um busto e três placas de bronze, sendo duas apresentando as principais atividades desenvolvidas por Assis Brasil: Política e Ruralismo.

Em 1943, na Europa, a Itália capitula diante dos aliados na IIª Guerra Mundial.

Em 1943, na Europa Oriental, Rússia, o Exército Alemão rende-se em Stalingrado (atual San Petersburgo na Ucrânia).

Em 1943, em Porto Alegre, a nova Avenida Borges de Medeiros é concluída a segunda parte do arruamento, trecho sul entre a Rua Coronel Genuíno a Rua Praia de Belas.

Em 1943, em Porto Alegre, com relação à Segunda Guerra Mundial a temida invasão do espaço aéreo brasileiro pelas forças do Eixo verificou-se inviável já no ínício do ano.
As vitórias no front dos aliados minimizaram a real necessidade do “sistema antiaéreo” na cidade.

Em 1943, em Porto Alegre, é fundada por Paulo Pernau Fassel, as Tintas Corfix, empresa que nasceu do improviso, durante a IIª Guerra pela falta de material para suas pinturas artísticas, de forma caseira foi inventando suas colorações, que começou a fornecer a amigos e por diante.

Em 24 de janeiro de 1943, em Porto Alegre, o jornal Correio do Povo teve que decidir o que fazer com os recursos arrecadados na campanha. O jornal informou que com o fim das ameaças de bombardeios, os valores arrecadados na campanha de construção dos abrigos antiaéreos seriam integralmente doados a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, para “a aplicação em seus serviços de assistência hospitalar, cuja eficiência, atualmente, não pode ser aumentada pela notória falta de espaço e de leitos” (Correio do Povo, 24/01/1943).

- Neste mesmo ano surgiu o projeto do provedor da Santa Casa, Archimedes Fortini para a construção de um hospital para crianças no bairro fabril de São Geraldo na zona norte da Capital.

Em 1º de fevereiro de 1943, em Porto Alegre, é criada a Comissão Estadual de Energia Elétrica (CEEE), para corrigir as falhas do atendimento prestado pelas companhias estrangeiras que operavam na capital e no estado. A criação da CEEE elevou a capacidade geradora do estado.

Em 12 de abril de 1943, em Porto Alegre, um grupo de arrojadas mulheres, a maioria poetisas, fundaram a Academia Literária Feminina do RS, entre elas: Lydia Moschetti, (mulher de impar realizações), Aura Pereira Nunes, Aurora Nunes Wagner, Aracy Froes, Alzira Freitas Tacques e Stella Brum (a mais jovem e a última a falecer em 1986).
A considerada “Rainha do Lar” restrita ao frágil espaço feminino das “prendas domésticas”, venceu barreiras e tabus iniciais, em suas realizações culturais a edição da Revista “Atenéia” (1949-72), da antologia “Vozes Femininas” de 1983.
Em 1952, a primeira sede em um apartamento na Rua Jerônimo Coelho, permutado por outro maior à Av. Júlio de Castilhos. Em 1973 a Dra. Noemy Valle Rocha, doou o atual prédio à Rua Sarmento Leite, 933.
Por serviços prestados, a Academia Literária Feminina é considerada de utilidade pública, por Lei Municipal 4.040/53.

Em 09 de agosto de 1943, no Brasil, Rio de Janeiro (DF), é criado por Decreto a Força Expedicionária Brasileira – FEB.

Em 11 de setembro de 1943, em Porto Alegre, no Palácio Piratini assume como interventor federal o coronel Ernesto Dorneles (11.09.1943-01.11.1945), uma vez que o então interventor federal Cordeiro de Farias seguiu com a Força Expedicionária Brasileira – FEB para Itália, durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 15 de setembro de 1943, em Porto Alegre, José Loureiro da Silva, o último Intendente Municipal, passa o cargo de Prefeito para seu substituto (também nomeado) Antônio Brochado da Rocha.

Em 24 de outubro de 1943, no Brasil, Minas Gerais, na comemoração do 13º aniversário da Revolução de 30, um Manifesto Mineiro contra a ditadura do presidente da República Getúlio Vargas clamava:
“Queremos liberdade de pensamento, sobretudo do pensamento político”.

Em 1944, na Europa, França, na costa da Normandia acontece o desembarque dos aliados no chamado “Dia D” durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1944, na América do Sul, Argentina, Juan Perón assume a presidência da República.

Em 1944, em Porto Alegre, é inaugurado o conjunto de prédios do Magazine Mesbla na Rua Voluntários da Pátria esquina Rua Coronel Vicente, projeto de Arnaldo Gladosh.

Em 1944, em Porto Alegre, a Avenida Protásio Alves (atualmente a mais extensa radial com 14 km), iniciou-se o alargamento de 22 para 30 metros.

Em 09 de janeiro de 1944, em Porto Alegre, é inaugurada a Igreja de Santa Cecília, na Rua Larga (do Riacho a Rua Cabral, atual Rua Santa Cecília), no bairro Rio Branco (atual Santa Cecília). A nova paróquia foi abençoado pelo Cônego Mathias Wagner, o Padre Luis de Nadal foi empossado, sendo os festejos realizados na casa de João Franceschini.

- Iniciada em janeiro de 1943, paralizada pela falta de cimento durante a IIª Guerra Mundial. Em 21 de novembro de 1943, foi rezada a primeira missa no terreno pelo Monsenhor Luis de Nadal. No mesmo D. João Becker, juntamente com o senhor Vigário Geral, entregou aos membros da comunidade o Decreto de Fundação da Paróquia de Santa Cecília.

Em 20 de março de 1944, Brasil, Rio de Janeiro (DF), pelo Decreto nº 15.093, é sancionado o Plano Rodoviário Nacional, que previa 27 linhas principais distribuídas em seis rodovias longitudinais, 15 transversáis e seis ligações totalizando 35.574 quilômetros, recebendo a nomenclatura que consistia o símbolo “BR”. O Fundo Rodoviário Nacional – FRN previa receita proveniente da arrecadação do Imposto Único Federal incidente sobre combustíveis e lubrificantes especificamente para obras rodoviárias: - 40% destinava-se ao DNER e os 60% restantes eram divididos entre estados e municípios, assegurando os recursos.

Em 18 de junho de 1944, em Porto Alegre, aconteceu a fusão das duas academias literárias, com o nome de Academia Rio Grandense de Letras.

Em 30 de junho de 1944, na noite, no Brasil, Rio de Janeiro (DF), em uma operação sigilosa, mais de 5 mil soldados embarcaram, no navio americano General Mann, com destino ainda desconhecido, era o primeiro contingente dos 25.334 homens e mulheres que sob o comando do general Mascarenhas de Morais, incorporaram ao 4º Corpo do Exército americano.

Em julho de 1944, no Brasil, após a organização da FEB – Força Expedicionária Brasileira, os soldados brasileiros desembarcaram na Itália (Europa), apoiados por aviadores da FAB – Força Aérea Brasileira, e forças norte-americanas.

- Os gaúchos se engajaram na Primeira Divisão de Infantaria Expedicionária, que contou com 1.539 homens combatentes, sendo 15 destacados pela Justiça Militar, 26 capelães, 28 funcionários do Banco do Brasil, 6 enfermeiras, totalizando 1.675.

Em 1º de setembro de 1944, em Porto Alegre, o Decreto-Lei nº 213, muito interessante, dá nova denominação a dois logradouros.
Decreta:
Art. 1º - A Rua Paissandu fica denominada Rua Caldas Junior.
Art. 2º - A Rua Caldas Junior fica denominada Rua Paissandu.
Art. 3º - Revogam-se as disposições em contrário.

Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1º de setembro de 1944.
  1. Brochado da Rocha
Prefeito

República Nova
Quarta República (1945-1964)

Em 1945, em Porto Alegre, Arno Vontobel abre a fábrica Doces Cardeal que fabrica guloseimas artesanais, onde também distribuíam bebidas, no bairro Menino Deus.
Em 1952, Henrique Vontobel vem ajudar os irmãos Arno e João Vontobel, era fabricada bananada, cocada, rapadura e balas, tudo comercializado em carroção pelas ruas de Porto Alegre.
Em 1963, os irmãos separam o negócio: 
- Henrique e Arno Vontobel ficaram com a fábrica de doces e abriram um pavilhão na Avenida Ipiranga no bairro Partenon (as condições do bairro eram tão precárias, que a empresa instalou tanques para lavar roupas e ajudar os vizinhos com água potável).
João Vontobel fica com a distribuidora de bebidas que viria a ser a Vonpar.
Em 1967, a fábrica de doces começa a fabricar o doce de leite, que vai ser seu carro chefe, vendida a granel.
A marca MU-MU veio de uma viagem de Arno ao exterior que a registrou no Brasil, e acabou sendo a razão social da empresa, MU-MU Alimentos.
mu-mu = a fácil 
(se tornou gíria para os gaúchos)
Em 1970, visitando uma feira em São Paulo, Henrique Vontobel, viu uma máquina que injetava xampu em uma mangueira transparente, e, pensou a mesma idéia para o doce de leite, adaptada a máquina nascia o MU-Muzinho, vendido em pequenos saches, que se furava com os dentes.
Em 1998, a fábrica saiu de Porto Alegre e foi para uma área de 80 mil metros quadrados na cidade de Viamão.

Em 1945, em Porto Alegre, o Club Walhalla, em conseqüência da IIª Guerra Mundial
(1939-1945) e a perseguição aos nomes germânicos, mudou o nome para Tênnis Club Moinhos de Vento.

Em fevereiro de 1945, na Europa, Alemanha, com o país praticamente arrasado, os alidos ocidentais fizeram uma operação aérea de inusitada violência contra o povo alemão: - o bombardeio da cidade de Dresden, aparentemente desnecessário, já que a cidade não era centro militar e nem industrial.
Morrerem 145.000 pessoas – mais do que Hiroshima, a maioria refugiados de zonas que os russos estavam invadindo em seu avanço. Grande parte dos cadáveres foram queimados em praça pública por ser impossível interrá-los.

Em 22 de fevereiro de 1945, no Brasil, Rio de Janeiro (DF), José Américo, ex-ministro de Getúlio Vargas, em entrevista a Carlos Lacerda, rompeu a censura, criticando abertamente o governo.
O presidente Getúlio Vargas acabou baixando a guarda.

- O gaúcho Oswaldo Aranha, como embaixador do Brasil, nos Estado Unidos, colocava-se na posição de “oposição leal” ao autoritarismo do regime brasileiro. Flores da Cunha, no seu exílio no Uruguai, articulava no exterior a oposição a Vargas e ao Rio Grande do Sul.

Em 28 de fevereiro de 1945, no Brasil, Rio de Janeiro (DF), o presidente da República Getúlio Vargas assinou o Ato Adicional nº 9, fixando o prazo 90 dias para a realização de eleições.

Os partidos até então extintos, se organizaram e novos partidos foram formados:
- Em 07 de abril, nascia a UDN – União Democrática Nacional, formado pela oposição liberal, lançou o Brigadeiro Eduardo Gomes como candidato. As principais forças gaúchas, anti-Vargas congregaram-se UDN, que invocando os princípio do liberalismo, e seu discurso moralizador, fascinou a classe média.
Afluíram os principais nomes: - Borges de Medeiros, Oswaldo Aranha, Flores da Cunha.
- Em julho, nascia o PSD – Partido Social Democrático, dentro da máquina político-administrativa do Estado Novo, lanço o general Gaspar Dutra como candidato.
- Em setembro, nascia o PTB – Partido Trabalhista Brasileiro, sob a batuta de Getúlio Vargas do Ministério do Trabalho e da burocracia sindical.
As eleições foram marcadas para 02 de dezembro de 1945.

Em 29 de abril de 1945, na Europa, Alemanha, a IIª Guerra Mundial tinha chegado ao seu termo. Hitler e seus auxiliares mais diretos estavam refugiados no “bunker” da Chancelaria em Berlim e lá viveram os últimos dias do III Reich. Hitler comemorou seu último aniversário em vida neste bunker.
Nesta data em uma cerimônia insólita, Adolph Hitler “Führer” casou-se com Eva Braum, sua companheira e ambos se suicidaram, ele com um tiro de pistola, ela com uma cápsula de cianutreto, logo depois e seus corpos foram incinerados com gasolina.

Em 08 de maio de 1945, na Europa, a Alemanha se rendeu incondicionalmente aos ingleses, americanos e russos, os quais assumiram a responsabilidade de administrar o país, não reconhecendo o sucessor nomeado por Hitler, o Almirante Doenitz. A Alemanha deixou de ter existência jurídica e os líderes sobreviventes do “Partido Nazista - Nazismo” foram enquadrados como criminosos de guerra.
O IIIº Reich Alemão de Mil Anos terminava com apenas 12 Anos.
Terminava a IIª Guerra Mundial, mas os combates continuam no Pacífico Sul, entre o Japão e os Estados Unidos.

- Em Porto Alegre, com a paz os pracinhas da FEB (Força Expedicionária Brasileira), retornam as suas casas, são recebidos apoteoticamente como “Heróis”, com grandes desfiles e paradas, para delírio dos porto-alegrenses. A FAB (Força Aérea Brasileira) retornou, depois de ter realizado mais de 400 missões.
O Brasil havia enviado 25.000 homens para combater na Itália, comandados pelo general Mascarenhas de Morais, agragadas ao V Exército norte-americano chefiado pelo general Mark Clark.
O Brasil perdeu em combate 465 homens da FEB e 8 pilotos da FAB, aproximadamente 2.000 feridos.

- O Brasil alinha-se ao chamado “Mundo Livre”, capitaneado pelos Estados Unidos, agora com grande influência no país, que em visita ao Brasil em Natal no Rio Grande do Norte, convidou Getúlio Dorneles Vargas, através do presidente Franklin Delano Roosevelt para o Brasil fazer parte da fundação da futura Organização das Nações Unidas, que chamou Getúlio Vargas:
“dictador in defense of democracy” (ditador em defesa da democracia).

Em 24 de maio de 1945, em Porto Alegre, o jornal Correio do Povo na figura de seu diretor chefe Breno Caldas, novamente se lançou à frente de uma nova campanha de arrecadação de fundos para a construção de um “monumento” em homenagem aos pracinhas brasileiros que lutaram na guerra.
“Lançada ontem, pelo Correio do Povo, em brilhantecerimônia popular a campanha pró Monumento do Expecicionário” foi à manchete na contra capa do jornal.
Estiveram presentes, a solenidade, de abertura da subscrição pública realizada no Saão Nobre da prefeitura, representantes de diversossetores da sociedade. Antônio brochado da Rocha, prefeito da Capital, recebeu a proposta idealizada pelo Correio do Povo, com entusiamos, pois Porto Alegre seria a primeira cidade a prestar homenagem desse porte à participação dos soldados brasileiros na Segunda Grande Guerra.  

Em 26 de junho de 1945, na América do Norte, Estados Unidos, na cidade de São Francisco, 50 nações assinaram a Carta das Nações Unidas, entre elas o Brasil, é criada a Organização das Nações Unidas - ONU, conseguiu evitar problemas de origem de sua antecessora, a “Liga das Nações” que desta vez tinha a participação de todas as grandes potências, com a influência direta dos países vencedores da Segunda Guerra Mundial (Estados Unidos, Inglaterra, França, Rússia).
A Alemanha e o Japão não entraram imediatamente na ONU, pois com o final da Segunda Guerra Mundial tinha perdido sua existência jurídica. Com a emancipação e independência de antigas colônias, os chamados países do “Terceiro Mundo”, o número de membros da ONU foi crescendo.

- A ONU compreende uma série de órgãos, dos quais cinco são mais importantes:
Assembléia Geral, foro mundial de debates,
Conselho de Segurança, formado por Estados Unidos, Inglaterra, França, Rússia, China Popular (desde 1971), com direito individual de veto a qualquer resolução do Conselho.
Conselho de Mandatos, fiscaliza as regiões sob mandatos de outros países,
Conselho Econômico e Social, visa estimular a cooperação internacional e funciona em acordos com as agências, FAO (sede Roma), OMS (sede Genebra), OIT (sede Genebra), UNESCO (sede em Paris),
Secretariado-Geral, órgão burocrático que atua como porta voz da ONU.

Em 06 de agosto de 1945, 08h15min, da manhã ensolarada, na Ásia, Japão, Hiroshima, os Estados Unidos ainda em guerra no pacífico contra o Japão, poupou a cidade Hiroshima na foz do Rio Ota dos bombardeios, pois esta estava reservada para experiência maior.
De uma altitude de 9.600 metros, o coronel Paul Tibbets, a bordo de um avião B-29 Enola Gay, lançou “Little Boy” sobre Hiroshima. Apelido simpático para uma arma que carregava em seu ventre 60 quilos de urânio 235, com poder de destrutivo de 13 mil toneladas de explosivos.

- A bomba atômica jamais tocou o solo, explodiu no ar a 580 metros de altitude, emitindo uma luz silenciosa, que se não fosse mortal, seria divina.  No instante da detonação, uma bola de fogo de 280 metros de diâmetro formou-se no céu, a temperatura no chão chegou a 5.000° C.

- Minutos depois, uma nuvem de proporções diabólicas cresceu até encostar na estratosfera, a 17 mil metros de altitude, onde assumiu a forma de um cogumelo.
Quem estava perto do epicentro evaporou em menos de um segundo, deixando apenas a sombra. As ondas de calor queimaram a pele e as vísceras de quem estava nas ruas num raio de 1.200 metros.

- No centro da cidade dava-se início a uma língua de fogo que varria Hiroshima em menos de duas horas. Ao mesmo tempo uma rajada de vento de 1.500 quilômetros por hora carregava tudo que encontrasse pela frente, de casas a pessoas, misturada às chamas, criava tufões de fogo.

- Meia hora depois da explosão, a chuva negra derrubou doses maciças de poeira radioativa sobre a população.

- No começo da tarde, Hiroshima estava mergulhada na mais absoluta e infernal conflagração.

- Nas ruas, as pessoas queimadas acorriam às caixas d’água para matar a sede ou refrescar o corpo, mas o contato da água com as queimaduras profundas e extensas provocava um choque no sistema circulatório e matava as pessoas no mesmo instante. Elas caiam mortas dentro dos tanques.

- A ensolarada manhã terminava com 80 mil mortos e 90% da cidade destruída.
Os que sobreviveram vieram a descobrir que Hiroshima havia sido poupado dos bombardeios para uma sinistra experiência, os norte-americanos assim como faziam os nazistas a quem combatiam: - testar os efeitos da bomba atômica em vidas humanas (experiências com seres humanos).
Mesmo com a guerra praticamente ganha pelos americanos, assim o fizeram.

Nota:
- As 07h09min da manhã do dia 06, um solitário avião americano rasgara o céu azul e fizera soar o alerta amarelo. Todos correram para os abrigos antiaéreos, mas era um alarme falso, as 07h31min o alerta deixou de soar. O que os 300 mil habitantes não sabiam era que aquele único bombardeio estava comunicando por rádio ao B-29 Enola Gay que a cidade estava pronta para receber a bomba.
(texto adaptado de Xavier Bartaburu, extraído da Revista Terra, edição160, 2005, Ed. Peixes)

Em 09 de agosto de 1945, três dias depois, na Ásia, Japão, Nagazaki, os Estados Unidos programa outro lançamento sobre a cidade de Kokura, mas esta estava encoberta pelas nuvens, coube a Nagazaki, alvo secundário, o trágico destino de conhecer a hecatombe nuclear e ainda ser ofuscada pela experiência prévia de Hiroshima.
Chamada de “Fat Man”, a bomba era feita de plutônio 239 e tinha maior poder de destruição. Os estragos só não foram maiores, pois é uma cidade com relevo mais acidentado. A bomba caiu no bairro de Urakami, ao norte da cidade, um dos mais importantes pólos da indústria bélica do Japão.
No Rio Urukami as pessoas boiavam mortas.

- Nos dias seguintes, mesmo quem tinha o corpo aparentemente ileso começou a sucumbir sem razão aparente. A radiação da bomba lançara a sua maldição. Seis décadas depois, há milhares de vítimas espalhados pelo mundo sofrendo com os efeitos da radiação, especialmente câncer.

Em 15 de agosto de 1945, na Ásia, Japão, Tóquio, pela primeira vez em rede nacional de rádio o imperador Hiroyto fala a nação destruída, e, se rende ao novo poder.
O Japão rendeu-se incondicionalmente.
                                                 
Até dezembro de 1945, na Ásia, Japão, juntas as duas bombas mataram cerca de 220 mil pessoas, 140 mil só em Hiroshima. Muitos migraram para o Brasil, onde vivem 140 deles.
Dois anos depois os americanos, montaram barracas e iniciaram experiências com os sobreviventes, expondo-os a humilhações, sem nunca divulgar os resultados das experiências.

- Em Porto Alegre, as pessoas leigas não entendem o que aconteceu realmente sobre o Japão com o bombardeio atômico e a destruição causada, através das notícias dos jornais e rádios da cidade.

Arsenal Atômico
- Os EUA e a URSS começaram a corrida armamentista atômica, com seus arsenais iniciados EUA (1945), URSS (1949), Inglaterra (1952), França (1960).
No começo da década de 1960, dizia-se que o potencial de destrição nuclear das superpotências equivalia a uma tonelada de dinamite por habitante da Terra.
Mas a “Guerra Total” é impensável (mas já foi pensada), já que escaparia ao controle de qualquer estratégia. A extensão dos danos só produziria perdedores, visto que ninguém ficaria imune aos efeitos da destruição e da radiação.

Em fins de outubro de 1945, no Brasil, Rio de Janeiro (DF), o presidente da República Getúlio Vargas insiste em fazer seu irmão Bejo Vargas o Chefe de Polícia do Rio de Janeiro, é o estopim para o golpe militar contra o governo, liderado pelos generais Góis Monteiro e Eurico Gaspar Dutra.

- Entre humilhado e conciliador, o presidente Vargas declara a nação que renuncia ao cargo por vontade própria, e sai do Palácio do Catete, sem ser exilado e sem perder os direitos políticos. Getúlio Vargas retorna ao Rio Grande do Sul.

Em 29 de outubro de 1945, no Brasil, Rio de Janeiro, Distrito Federal, o presidente da República Getúlio Vargas é deposto, abriu-se uma terceira fase na história da República, que se chamou República Nova, assume a presidência da República José Linhares (29.10.1945-31.01.1946), décimo quinto presidente da República, Cearense, sem partido, sem Vice, por convocação das Forças Armadas, na qualidade de presidente do Supremo Tribunal Federal, em razão da deposição do titular.
Essa terceira fase iniciou-se com a realização de eleições, já convocadas nos últimos meses de 1945.
A primeira medida do governo eleito foi a de reunir a Assembléia Constituinte para dar ao país uma nova Constituição.                                                                                                           

- Nas eleições gerais Getulio Vargas se torna o maior vencedor ao ser eleito senador por dois estados (Rio Grande do Sul e São Paulo) e deputado federal por outros 7 estados.

Em 02 de dezembro de 1945, na Europa Oriental, é criada a República da Iugoslávia (da união de pequenos países eslavos e ducados) sobre influência direta da URSS.
Com a forma de governo de uma república comunista, o país era constituído pela união federal de seis repúblicas:
    República Socialista da Bósnia e Herzegovina, cuja capital era Sarajevo;
    República Socialista da Croácia, cuja capital era Zagreb;
    República Socialista da Macedónia, cuja capital era Skopje;
    República Socialista de Montenegro, cuja capital era Titogrado;
    República Socialista da Sérvia, cuja capital era Belgrado e que compreendia:
    a. a Província Socialista Autónoma do Kosovo, cuja capital era Priština e
    b. a Província Socialista Autónoma da Voivodina, cuja capital era Novi Sad.
    República Socialista da Eslovénia, cuja capital era Liubliana;

O país era constituído por seis repúblicas socialistas federadas; além delas, a Sérvia contava com duas províncias socialistas autónomas. A capital federal era Belgrado

Ao longo da Guerra Fria, a República Socialista Federativa da Iugoslávia foi um membro importante do “Movimento Não-Alinhado”.

Formado em 1945, a partir do que havia sido, antes da guerra, o Reino da Iugoslávia, o país adotou, a princípio, o nome Iugoslávia Democrática Federal.
Em 1946, seu nome foi alterado para República Federativa Popular da Iugoslávia.
Em 1963, para República Socialista Federativa da Iugoslávia.

O primeiro presidente do novo Estado foi Ivan Ribar, com Josip Broz Tito como primeiro-ministro.
Em 1953, Tito foi eleito presidente e posteriormente, em 1963, indicado presidente vitalício.

Em 1946, na Ásia, começa a guerra civil na Indochina envolvendo a França que a tutelava como colônia.

Em 1946, em Porto Alegre, com o fim da IIª Guerra Mundial termina a repressão contra as pessoas de “origem germânica” que novamente são integrados a sociedade.

- Agora em Porto Alegre a repressão recai apenas sobre as manifestações religiosas dos negros, o “Batuque”.

Em 1946, em Porto Alegre, inicia-se a construção do Cais Navegantes, pelo governo do Presidente da República general Gaspar Dutra e depois Getúlio Vargas, ergueu o Cais Marcílio Dias.
Com oito mil metros de cais, o Porto de Porto Alegre tornou-se o “maior porto fluvial” do Brasil e um doa maiores do mundo.

Em 31 de janeiro de 1946, no Brasil, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Eurico Gaspar Dutra (31.01.1946-31.01.1951), décimo quinto presidente da República, Mato Grossense, Partido Social Democrático – PSD, vice Nereu Ramos, considerado uma figura caricata, introduziu no Brasil a Guerra Fria, rompendo relações com a União Soviética, baniu o Partido Comunista, proibiu o jogo de azar.

Em 25 de junho de 1946, no Brasil, Rio de Janeiro, é criado sob o decreto-lei nº 9.043 o Serviço Social da Indústria – SESI, que a partir de então passou a desenvolver serviços de educação, saúde e lazer,
Em 1946, reunidos no CNI no Rio de Janeiro, com as primeiras federações reunidas, tinham o objetivo urgente de criar “um serviço social que se dedicasse à defesa e à valorização do trabalhador na indústria e de sua família, além de promover medidas de estímulo à produção industrial”. A federação gaúcha desde início participou ativamente.

Em 18 de setembro de 1946, no Brasil, Rio de Janeiro, Distrito Federal, é promulgado a nova Constituição, a quarta da República e a quinta do Brasil, de teor mais liberal, chamada pelo presidente da República Eurico Gaspar Dutra de “Livrinho”.
Serão 18 anos de Democracia.

Em 16 de dezembro de 1946, em Porto Alegre, o prefeito Egídio Costa, baixara Decreto-Lei nº 327 denominando “Largo do Bombeiro” o local onde seria assentado futuramente “O Laçador”.
Até hoje desde que a estátua foi ali colocada prevalece o nome “Largo do Bombeador”, os vocábulos campeiros registram que Bombeador é aquele que espia, vigia e espreita, e o Bombeiro é o soldado do fogo.
Assim “O Laçador” (ex-Boleador) está vigilante, espiando, vigiando, bombeando os horizontes.

Em 1947, nos Estados Unidos, cientistas da Bell Telephone Laboratories inventaram transistores menores, econômicos e mais confiáveis, pois os antigos aparelhos de rádios e televisão usavam “válvulas” para manipular a corrente elétrica, mas váçvulas eram grandes, vida curta e produção cara.
Com o desenvolvimento das naves espaciais foi preciso reduzir ainda mais o tamanho dos equipamentos.
No final da década de 1960, milhares de transitores e outros componentes estavam contidos em um “chip de silício” medindo não mais que 5 mm quadrados. Seria a revolução no campo da informática e da mobilidade.

Em 19 de novembro de 1947, no Oriente Médio, a recém-criada Organização das Nações UnidasONU, sob a presidência do brasileiro Osvaldo Aranha, recomendou a aplicação do Plano de partição da Palestina, administrado pela Grã-Bretanha desde o século XIX, aprovado pela Assembléia Geral das Nações Unidas através da Resolução 181, propondo a divisão do país em dois Estados, um árabe e um judeu.
Segundo esta proposta, a cidade de Jerusalém teria um estatuto de cidade internacional - um corpus separatum - administrada pelas Nações Unidas para evitar um possível conflito sobre o seu estatuto.
A Agência Judaica aceitou o plano, embora nunca tivesse afirmado que limitaria o futuro Estado judaico (Israel) à área proposta pela Resolução 181.
O gaúcho Osvaldo Aranha passará a ser grande benemérito por Israel.

Em 1947, em Porto Alegre, através de Decreto-Lei do prefeito Gabriel Pedro Moacyr, a “Rua Larga” passou a chamar-se “Rua Santa Cecília” pela localização da Paróquia de Santa Cecília, no bairro Rio Branco (atual Santa Cecília).

Em 1947, em Porto Alegre, se reúne a Assembléia Constituinte gaúcha e promulga a Constituição Estadual, a terceira do Estado, sobre forte influência dos problemas políticos da época.

- É redefinido papel das Câmaras de Vereadores com vinte e um eleitos pelo voto direto. Ela passa a ser um órgão mais representativo através do pluripartidalismo, com funções legislativas e remuneração dos vereadores.
Neste período a Câmara se reunia no Paço dos Açorianos, sede da Prefeitura Municipal até 1949.

Em 1947, em Porto Alegre, é fundado o “primeiro Centro de Tradições Gaúchas – o 35 CTG do mundo”, dando início ao movimento tradicionalista gaúcho, atual MTG.

Em 1947, em Porto Alegre, o Tênnis Club Ipiranga fundiu-se com a Sociedade Ginástica Porto Alegre, conhecida por SOGIPA, fundada em 1867 como Turnerbund.

Em 1947, em Porto Alegre, acontece o sucesso da música “Felicidade” do porto-alegrense Lupiscínio Rodrigues que estoura em todo o Brasil.

- Aqui no Rio Grande do Sul o sucesso de Pedro Raymundo, que popularizou o “xote” gaúcho, através do rádio, fez desencadear um movimento que procurava preservar nossas tradições.
Tem início os primeiros programas de rádios regionalistas e é grande o número de canções regionalistas que datam desta época.

Em 1947, em Porto Alegre, a vassoura foi o ponto de partida dos irmãos Nilo e Cezar Bettanin, eles vendiam vassouras em um atacado montado nos fundos de casa na Rua Voluntários da Pátria, com dinheiro emprestado pela Mãe.
Em 1949, passaram a produzir as vassouras, com máquinas usadas recebidas por seu Pai em um espólio.
Em 1952, com a fábrica já pequena na Rua Voluntários da Pátria, mudou-se para o Centro da cidade de Esteio. Entra o irmão mais novo Dante Bettanin na sociedade.
Em 1964, a primeira máquina automática.
Em 1970, com a chegada do Pólo Petroquímico, deixaram de buscar palha e piaçava no Nordeste.
A Bettanin foi à primeira indústria do Brasil a “produzir vassoura com cerdas sintéticas”: - “A Noviça”.
Do centro de Esteio passou para um parque industrial ao lado da Expointer.
Em 1988, faleceu Nilo Bettanin com o Grupo formado pelas empresas Bettanin, Pincéis Atlas, Sanremo e Primafer.
Em 2000, o modelo de vassoura “Certa” foi capa na Revista Time.

Em 15 de agosto de 1947, na Ásia, Índia, chega ao fim o violento processo de independência da Índia.
A Grã-Bretanha com a economia arrasada após a Segunda Guerra Mundial não pôde suportar a pressão e perde o controle sobre sua maior colônia; - é declarada a Independência da Índia, (que após irá se separar novamente em União Indiana “hinduísta” e Paquistão “muçulmano”), a divisão foi conseqüência das hostilidades entre a maioria hindu e a minoria muçulmana. O pacifisca Mahatma Gandhi mostra-se incorfomado com a divisão territorial.

Em 1948, na Ásia, Índia, o líder pacifista indiano Mahatma Gandhi é assassinado.

Em 1948, no Oriente Médio, para Israel se consolidar como novo Estado independente, inicia-se a guerra árabe-israelense.

Em 1948, na África, África do Sul, é implantado a política segregacionista do “apartheid”, divisão entre negros e brancos.

Em 30 de abril de 1948, na América do Sul, é criada a Organização dos Estados Americanos - OEA, constituindo-se como um dos “organismos regionais mais antigos do mundo”, sendo fundada três anos após a criação da ONU.
Com 21 países signatários, entre eles o Brasil, reunidos em Bogotá, Colômbia, assinaram a Carta da Organização dos Estados Americanos, onde a organização definia-se como um organismo regional dentro das Nações Unidas.
Os países-membros se comprometiam a defender os interesses do continente americano, buscando soluções pacíficas para o desenvolvimento econômico, social e cultural.

Em 1948, no Brasil, São Paulo, é criado a Bom Bril, embalada pela revolucionária lã de aço, atualmente sinônimo de esponja de aço, tem o domínio no setor.
Com o slogan: - Bombril e suas 1001 utilidades.

Em 03 de dezembro de 1948, no Brasil, Rio de Janeiro, entra em vigência o Tratado do Rio de Janeiro, conforme o seu artigo 22.
O Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (em inglês: Inter-American Treaty of Reciprocal Assistance; em espanhol: Tratado Interamericano de Asistencia Recíproca), também conhecido pela sigla TIAR ou como Tratado do Rio, é um tratado de defesa mútua celebrado em 1947 na cidade do Rio de Janeiro entre diversos países americanos.
O princípio central do acordo é que um ataque contra um dos membros será considerado como um ataque contra todos, com base na chamada “doutrina da defesa hemisférica”.
O Brasil é o Estado depositário original do tratado, enquanto que a Organização dos Estados Americanos é a depositária para fins de administração do acordo.

Em 1948, em Porto Alegre, o maestro Alcides Macedo assinou o primeiro contrato na Rádio Farroupilha de Assis Chateaubrian, para a orquestra da rádio, onde ficou conhecido como “Macedinho”.

- Mais tarde foi trabalhar na orquestra da Rádio Gaúcha, sob a regência do maestro Karl Faust, com a saída de Faust, o diretor Maurício Sirotsky Sobrinho, o convidou para ser o maestro para o Programa de Maurício, que fez somente uma solicitação que a partir de agora seria apresentado como maestro Alcides Macedo e não mais “Macedinho”.

- Todo fim de semana vinham a Porto Alegre, grandes nomes da música, como:
- Agnaldo Rayol, Ângela Maria, Leny Eversong, Francisco Egídio e outros.

- Até 1965, Alcides Macedo trabalhou na Rádio Gaúcha como diretor musical, arranjador e regente da orquestra, quando o departamento foi fechado.
Então passou e excurcionar com a sua orquestra Alcides Macedo Schow.

Em 1948, em Porto Alegre, é realizado o I Campeonato Aberto Noturno de Tênis sob a coordenação da Federação Rio-Grandense de Tênis e do Departamento da Associação Leopoldina Juvenil.
Os vencedores do torneio foram Ary Juchem e Carmem Paz.

Em 1948, em Porto Alegre, é inaugurado o Clube Mil e Uma Noites, na Vila Assunção, zona sul, foi o “night-club” mais elegante de Porto Alegre.
Conhecido como “Palácio de Festas Mil e Uma Noites”, nome sob o qual era sempre mencionado, mas que se chamava, na verdade, Clube Mil e Uma Noites.
Era um clube noturno onde se realizaram muitos eventos, shows, bailes de carnaval e festas de réveillon.
A história desse clube noturno merece e precisa ser pesquisada e resgatada, pois faz parte da história boêmia e social da Cidade.
Demolido na década de 1990, para a construção de um condomínio.

Em 1948, em Porto Alegre, a Travessia do Guaíba, seca, começou a evadir-se das pranchetas para o terreno concreto. Foram realizados estudos pelo DAER visando à construção de um Túnel desde a Ponta da Cadeia, em Porto Alegre à Ilha da Pintada.
Esse túnel teria 1.724 m de extensão, sendo 1.232 m entre portais e duas rampas de acesso de 246 m cada uma e seria formado por 8 elementos tubulares, pré-moldados, levados por flutuação ao local e assentados no terreno previamente preparado; um elemento central especial, da torre de ventilação e 3 elementos moldados in loco.
O trecho pré-moldado tornar-se-ia estanque por um tubo contínuo, soldado, de chapas de ferro de 1/4” o diâmetro externo atingiria 11,0 m e o interno 9,40 m, sendo de 7,30 m a chapa de rodagem.
De 1948 a 1949 os jornais de Porto Alegre publicaram grandes reportagens, fartamente ilustradas da futura construção. Mas a idéia do túnel foi vencida depois de grandes e elevadas discussões, mesmo já estando praticamente decidido pelo DAER o túnel.
Venceu o projeto de pontes, viadutos e aterros, partindo do alinhamento da Rua Sertório, no bairro dos Navegantes, ultrapassando sucessivamente os vãos entre Porto Alegre e a Ilha do Pavão, desta a Ilha Grande dos Marinheiros e, por último, desta ao município de Guaíba indo atingir, pela BR-2 e o entroncamento da BR-37.

Em 1948, em Porto Alegre, João, Arno e Henrique Vontobel, que já fabricam doces pela sua empresa Cardeal, vêem um anúncio no jornal Correio do Povo, solicitando distribuidores para o recém lançado refrigerante “Marabá”, sabor laranja.
Com a empresa instalada no bairro Menino Deus, assumiram a distribuição na zona sul de Porto Alegre. O fabricante não conseguiu suprir a demanda e os Vontobel romperam o contrato.
Os irmãos se associaram a Walter Kirst, fabricante da Laranjinha de Arroio do Meio, foi um sucesso o produto.
Em 13 de dezembro de 1949, as empresas se separaram, João Vontobel se dedicou a bebida e os irmãos Arno e Henrique aos Doces Cardeal (futura Mu-Mu).
João e o irmão Ottomar Vontobel e Walter Kirst, construiu em 1953, uma outra fábrica em Santo Ângelo.
Organizaram uma frota de caminhões, e franqueados da marca Grapette.
Em 1960, compram a mineradora Águas Minerais Minuano, esta concorre com a marca Charrua, líder do mercado.
Em 1966, a empresa coloca no mercado o “Bingo Tangerina”, para lançamento do produto contrataram Roberto Carlos. O produto era sensível ao sol, e o produto foi detonado. Optou-se por outros sabores guaraná e cola, para não ter prejuízo total.
João Vontobel que fabricava a “Bingo Cola” e distribuía “Coca-Cola” ao mesmo tempo, recebeu a visita em Porto Alegre do vice-presidente da Coca-Cola.
João Vontobel pressionado teria que optar entre o Bingo ou Coca-Cola, dizem:
- Preferiu o Bingo, mas um mês após voltou atrás e ganhou a fabricação da Coca-Cola em Santo Ângelo.
Em 1967, o Grupo Vontobel lançou o Minuano Limão, o primeiro refrigerante no Brasil vendido em garrafa de vidro de um litro.
Minuano Limão tornou-se o refrigerante mais vendido da história do Rio Grande do Sul, na frente da Coca-Cola.
Em meados de 1980, a Coca-Cola adquiriu a concorrente Charrua.
A Coca-Cola construiu uma fábrica em Porto Alegre no 4º Distrito.
Em 1983, a The Coca-Cola Company comprou a marca Minuano Limão, e a engoliu.
Em 1985, a empresa foi dividida:
Indústrias Vontovel dirigida por Ottomar Vontobel, e
Grupo J.J. Vontobel, presidido por João Vontobel, conquistou a franquia da Coca-Cola em Porto Alegre.
Em 1992, mudou para Vonpar – Vontobel.
Em 1998, inaugurou a nova fábrica em Porto Alegre, na Avenida Assis Brasil, junto a Freeway, a mais moderna unidade industrial da América Latina.
Em 2005, a unidade da Coca-Cola de Porto Alegre é considera a melhor do mundo.

Em 1948, em Porto Alegre, o engenheiro químico Oswaldo Ewaldo Streibel na pequena sua Sul Química Ltda, na Rua Voluntários da Pátria, lança “uma bomba”, um produto para combater os mosquitos a concorrente “Flit”.
Streibel fabricou o matador, repelente em forma de pirâmide, que aceso, lançava fumaça. Na mesma época adquiriu a marca Boa Noite de uma empresa argentina.
É lançado o mata-mosquitos Boa Noite, sólido, verde escuro, quase um incenso.
Em 1975, mudou-se para o Distrito Industrial de Cachoeirinha.

Nota:
- Este cronista teve a grata honra de trabalhar no Distrito de Cachoeirinha na década de 1990, onde via diariamente, a pequena Boa Noite, como todos a chamavam.

Em 21 de maio de 1948, em Porto Alegre, morria por embolia cerebral o engenheiro-civil Henrique José Wiederspahn Junior, irmão do arquiteto Theo Wiederspahn.
Foi sepultado no jazigo da “Família Annibale di Primio”, no Cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre.

Em setembro de 1948, no Brasil, Rio de Janeiro, as “contas bancárias” retidas em 1942 dos donos de indústrias considerados pró-nazistas e fascistas foram desbloqueadas.

Em setembro de 1948, no Brasil, Rio Grande do Sul, é inaugurada a Hidrelétrica do Passo do Inferno, no Rio Caí, que ira fornecer energia ao estado e controlar o nível das águas que chegam ao Guaíba em Porto Alegre.

Em outubro de 1948, em Porto Alegre, no restaurante das Lojas Renner onde eram realizadas as reuniões da FIERGS por ser A.J. Renner membro ativo da entidade.
O governador do Estado Walter Jobim comparece a entidade para anunciar o Plano de Eletrificação do Estado, uma luta das indústrias do estado.

Em 1949, na Ásia, China, os comunistas vencem a guerra civil e assumem o governo, isolando o país.

Em 1949, na Europa, é criado Organização do Tratado do Atlântico Norte – OTAN, para defender a Europa Ocidental, diante da Guerra Fria contra a URSS.

Em 1949, na Europa, a Alemanha é dividida em Alemanha Ocidental com a capital Bonn (sob influência ocidental), e Alemanha Oriental, com a capital no dado leste de Berlim (sob influência da URSS), assim permanecerá até a década de 1980 com a queda do comunismo.

Em 1949, em Porto Alegre, o escritor Érico Veríssimo publica a primeira parte “Continente” de sua obra mais famosa “O tempo e o vento”.

Em 1949, em Porto Alegre, a Câmara de Vereadores se transferiu para o Edifício Intendente José Montaury, sede administrativa da prefeitura, Rua Rua Siqueira Campos.

Em 1949, em Porto Alegre, a Associação Leopoldina Juvenil promoveu em suas quadras o Iº Torneio Aberto Internacional de Tênis.

- O atleta gaúcho Ernesto Petersen conquistou o título maior nacional e representou o Brasil na “Copa Davis” juntamente com Manoel Fernandes e Álvaro Osório.

- No cenário do “Tênis Feminino” nacional destacaram-se as tenistas gaúchas Ilka Altmayer e Carmen Paz.

Em 1949, em Porto Alegre, é fundada a Maternidade Mario Totta, atualmente ala do Hospital Santa Clara, do Complexo Hospitalar Santa Casa.

Dr. Mario Totta
- Nascido Trabalhado e morrido em Porto Alegre.
Em 1904, foi graduado em Farmácia e Medicina, foi professor titular da cadeira de obstetrícia da Faculdade de Medicina de POA, criou o curso de enfermeiras parteiras, o serviço de plantões noturnos para alunos do sexto ano.

Em 1949, em Porto Alegre, a Só & Filhos depois de anos instalada na calha do Guaíba na Rua Voluntários da Pátria, já como fabricante de navios, o Estaleiro Só transferiu-se para a Ponta do Mello, na zona sul junto à orla do Guaíba.
Neste local o Estaleiro Só fabricou mais de 170 embarcações, entre navios de grande porte, ferry-boats, navios-tanques, navios petroquímicos, baleeiras, rebocadores, iates e pesqueiros.

Em 20 de setembro de 1949, em Porto Alegre, foi inaugurado no Centro o Edifício Sulacap o “Edifício Majestoso”, com seus vários blocos unidos a torre de 17 pavimentos na esquina da Avenida Borges de Medeiros e Rua dos Andradas.

- Em breve novos prédios teriam a simpatia da arquitetura, os edifícios União e Mesbla são exemplos da chamada “Escola de Chicago”.

Em 19 de novembro de 1949, na noite, em Porto Alegre, foi destruído por um incêndio o prédio do Tribunal de Justiça, na Praça da Matriz (Praça Dedodoro da Fonseca) prédio gêmeo ao Theatro São Pedro. Em seu lugar foi construído o edifício do Palácio da Justiça.

Em 25 de novembro de 1949, em Porto Alegre, o perfumista autodidata Carlos Lütz com os sócios Rodolfo Gross, Ilse Kuhlmann, Geraldo e Domingos Caruccio, abriram a Gross & Cia. Ltda, modesta empresa no ramo de cosméticos, no bairro Floresta.
Logo compram a famosa Perfumaria Piva dona da marca luxuosa “Alma de Flores”, depois a compra da marca de um creme que daria em 1950 o nome definitivo da empresa: - “Memphis”.
Carlos Lütz passou a desenvolver essências, antes todas importadas. A empresa adotou o inédito sistema varejista de distribuição de seus produtos.
É lançada no mercado a marca Alma de Flores com perfume criado pelo fundador Carlos Lutz. O sabonete costumava perfumar o guarda-roupa das senhoras, o talco, é o mais vendido do Brasil.
Em 1973, a Memphis adquiriu a concorrente Masi e as marcas: - 4 Estações, Bouquet de Orquídeas e Senador.
Fugindo dos Aromas padronizados a Memphis é a única empresa brasileira que cria seus perfumes.

O final da década de 1940, em Porto Alegre, coincide com o início da formação das vilas marginais.
Do interior leva de trabalhadores, expulsos pelo parcelamento da terra e pelo começo da mecanização da lavoura, atraídos pelo fascínio das cidades e principalmente a promessa de empregos. Estas favelas, porém ainda é uma versão civilizada dos núcleos de moradias pobres.
“Não eram sub-habitações”.
Antes da década de 1950, as tábuas de pinho era um material abundante e econômico para a construção de casas populares, eram construções estreitas e compridas (como as antigas casas açorianas de alvenaria) que se multiplicavam aos milhares nos bairros Navegantes, São João, Partenon, Santana e Azenha, e mais tarde nas Vilas Ipiranga e Floresta.

- É fundado o Departamento Artístico da PUC – Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre.



Continua na Parte XV

Um comentário:

  1. Bela iniciativa James!

    Para todos que amam nossa querida Porto Alegre, e que não se restringem ao "hoje".
    Para os que encerram dentro de si, almas ávidas do saber, as quais perseguem o conhecimento e suas origens sem fatigar-se.
    A todos esses recomendo explorarem o seu belo trabalho, onde aprendemos a cada dia um pouco mais sobre nossa amada cidade, nossas origens e nossa cultura...Parabéns James!!!

    ResponderExcluir